Make your own free website on Tripod.com

ENFERMAGEM

Preparo do corpo pos morte
Home
Pressao Venosa Central
Cuidados com Transfusao
Cuidados nas aplicacoes termicas
Cuidados com traqueostomia
Cuidados com oxigenoterapia
Cuidados com tricotomia
Cuidados com curativos
Coleta de Material para exames
Cuidados com aspiracao traqueal
Preparo do corpo pos morte
Cuidados geniturinario
Cuidados gastrointestinais
Administracao de medicamentos
Glossário de Termos Técnicos
Mecanica Corporal
Nutricao
Historico de Enfermagem
Cuidados com cateter pos pilorico

Enter subhead content here

Enter content here

Assistencia de enfermagem ao paciente terminal

 

A forma como uma pessoa morre e individual, assim como a sua vida. Um dos grandes problemas na compreensao da morte e o de que, em nossa cultura, essa experiencia esta revestida de tabu e desconhecimentos.

As pessoas enfrentam a morte de varias maneiras. Segundo alguns estudos pode-se esbocar em cinco estagios as reacoes emocionais de uma pessoa enfrentar a morte:

  • Negacao e isolamento;
  • Raiva;
  • Negociacao;
  • Depressao;
  • Aceitacao.

Segundo KLÜBLER ROSS (1992) um paciente em estagio terminal pode passar por cinco fases:

 

Negacao: ajuda a aliviar o impacto da noticia, servindo como uma defesa necessaria a seu equilibrio. Geralmente em pacientes informados abruptamente e prematuramente. O medico deve respeitar porem ter o cuidado de nao estimular, compactuar ou reforcar a negacao.

 

Raiva: o paciente ja assimilou seu diagnostico e prognostico, mas se revolta por ter sido escolhido. Tenta arranjar um culpado por sua condenacao. Geralmente se mostra muito queixoso e exigente, procurando ter certeza de nao estar sendo esquecido, reclamando atencao, talvez como ultimo brado: Nao esquecam que ainda estou vivo! Nesta fase deve-se tentar compreender o momento emocional do paciente, dando espaco para que ele expresse seus sentimentos, nao tomando as explosoes de humor como agressoes pessoais.

Negociacao: tentativa de negociar o prazo de sua morte, atraves de promessas e oracoes. A pessoa ja aceita o fato mas tenta adia-lo. Deve-se respeitar e ajudar o paciente.

 

Depressao: aceita o fim proximo, fazendo uma revisao da vida, mostrando-se quieto e pensativo. E um instrumento na preparacao da perda iminente, facilitando o estado de aceitacao. Neste momento, as pessoas que o acompanham devem procurar ficar proximas e em silencio.

 

Aceitacao: a pessoa espera a evolucao natural de sua doenca. Podera ter alguma esperanca de sobreviver, mas nao ha angustia e sim paz e tranqüilidade. Procura terminar o que deixou pela metade, fazer suas despedidas e se preparar para morrer.

  

Estas cinco fases nem sempre ocorrem em sequencia; podem misturar-se ou superpor-se. Os pacientes e familiares avancam e regridem durante a experiencia e podem estar em diferentes estagios num dado momento. Um dos principios que norteiam a enfermagem e o de que os pacientes e individuos devem ser tratados com respeito e dignidade, a despeito de sua historia ou condicao.

 

 

Sinais fisicos de aproximacao da morte

 

- Pulsacao rapida e irregular;

- Respiracao rapida e por vezes ruidos;

- Movimentacao incessante;

- Relaxamento dos musculos;

- Sudorese abundante;

 Sede intensa;

- Pele palida e fria com manchas cianosadas principalmente nos membros inferiores;

- Desaparecimento gradual dos reflexos;

- Olhos vidrados e semicerrados (perde a visao);

- Queda da mandibula.

 

Obs: - Nem todos os individuos passam por todos os itens.

 

Fases hipocritas

 

Quando o paciente apresenta:

 

- Pele de cor palida e acinzentada;

- Olhos fundos e vidrados;

- Nariz afilado e agudo;

- Queixo e macas do rosto salientes.

 

Assistencia ao corpo apos a morte

 

01 - Ocorre esfriamento do corpo: rapido nas primeiras horas e lenta em 24 horas ate a temperatura corporal se equilibrar a temperatura ambiente;

02 - Rigidez cadaverica: fixacao dos musculos;

03 - Hipotese apos morte: estagnacao do sangue provocando manchas cianosadas;

04 - Sinais de putreficacao: autolise que e intensificada pelas bacterias intestinais e bacterias externas.

 

Em relacao aos objetos pessoais dos pacientes e a unidade

 

01 - Os objetos deverao ser recolhidos e entregues aos familiares;

02 - A unidade recebe limpeza terminal.

 

Material para preparo do corpo

 

Bandeja com:

 

Pares de luvas,

Mascara,

Frasco com benzina,

Material para tricotomia facial (S/N),

Pinca longa tipo Sheron,

Algodao, gazes; (algodao em fusos),

Esparadrapo,

Atadura de crepe,

2 Fitas de identificacao,

Fita crepe,

Biombo,

Avental,

Recipiente para lixo,

Bacia com agua e sabao,

Pano de banho,

Toalha de banho,

Dois lencois,

Maca,

Recipiente para roupa suja (hamper),

Bandeja de curativos,

Saco plastico.

 

Tecnica

 

01 - Desligar todos os equipamentos;

02 - Colocar a cama em posicao horizontal;

03 - Cobrir o corpo com um lencol;

04 - Colocar os biombos ao redor do leito;

05 - Lavar as maos;

06 - Reunir o material e colocar perto do morto;

07 - Colocar a bacia com agua sobre a cadeira;

08 - Vestir o avental, calcar as luvas e colocar a mascara se houver necessidade;

09 - Soltar os lencois da cama, retirando o travesseiro;

10 - Retirar as sondas, canulas, drenos e colocar no saco plastico;

11 - Barbear o paciente se for necessario;

12 - Fazer a higiene do corpo com agua e sabao;

13 - Remover curativos e refaze-los se for necessario;

14 - Tamponar todos os orificios naturais do corpo com algodao seco montado na pinca longa, de modo que ele nao apareca;

15 - Fechar as palpebras com tiras de esparadrapo (durante 1 hora);

16 - Colocar a protese; se for o caso;

17 - Sustentar a mandibula com atadura de crepe, amarrando-a no alto da cabeca, retirar apos uma hora;

18 - Vestir a roupa no paciente;

19 - Colocar as maos unidas sobre a cintura e fixa-las com atadura de crepe;

20 - Juntar os pes e amarra-los com atadura de crepe;

21 - Amarrar uma etiqueta com cordone nos tornozelos se o corpo for para necropsia;

22 - Forrar a maca com lencol em diagonal;

23 - Passar o corpo da cama para a maca;

24 - Dobrar o lencol envelope sobre o corpo fixando com fita crepe;

25 - Cobrir o corpo e a maca com outro lencol no sentido do comprimento;

26 - Fixar com fita crepe a outra etiqueta na altura das maos do paciente;

27 - Remover a roupa da cama colocando-a no ramper de roupas sujas;

28 - Reunir os pertences e entrega-los a familia;

29 - Desprezar as luvas no lixo e colocar o avental no recipiente de roupa suja;

30 - Encaminhar o corpo para o local determinado para guarda;

31 - Lavar as maos;

32 - Anotar no prontuario;

33 - Preparar os papeis de alta por obito e encaminhar a secretaria.

 

 

Tipos de obitos

 

Definido Quando a causa da morte e conhecida;

 

Mal Definido Quando a causa da morte e desconhecida. O corpo e submetido a autopsia;

 

Caso de Policia Tem comprometimento legal. Sao obitos decorrentes de acidentes, agressoes. O corpo e encaminhado ao IML.

 

 

Referências

 

FERNANDES, Almesinda Martins de O.; DAHER, Marcelo Cecílio; HANGUI, Wagner Yoshio. Manual de Normas e Rotinas Hospitalares. Goiânia: AB Editora, 2006.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo, Martins Fontes, 1992.

LECH, Joana. Manual de procedimentos de Enfermagem. 2 ed. São Paulo: Livraria e Editora Martinari, 2007.

POTTER; Patricia. A.; PERRY, Anne Griffin. Fundamentos de enfermagem. Trad. Luciana Teixeira Gomes; Lucya Hellena Duarte; Maria Inês Correa Nascimento. 5 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

SMITH- TEMPLE, Jean; JOHNSON, Joyce Young. Tradução: Regina Garcez. Guia para Procedimentos de Enfermagem. 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.