Make your own free website on Tripod.com

ENFERMAGEM

Cuidados gastrointestinais
Home
Pressao Venosa Central
Cuidados com Transfusao
Cuidados nas aplicacoes termicas
Cuidados com traqueostomia
Cuidados com oxigenoterapia
Cuidados com tricotomia
Cuidados com curativos
Coleta de Material para exames
Cuidados com aspiracao traqueal
Preparo do corpo pos morte
Cuidados geniturinario
Cuidados gastrointestinais
Administracao de medicamentos
Glossário de Termos Técnicos
Mecanica Corporal
Nutricao
Historico de Enfermagem
Cuidados com cateter pos pilorico

Cuidados na assistencia gastrintestinal

Cuidados com sondas gastrica, enterais e dietas oral ou por sondas

ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES COM PROBLEMAS INTESTINAIS

 

Terminologia

 

Defeccao ou evacuação: Ato de eliminar os dejetos;

Flatos: Gases;

Flatulencia, timpanismo ou meteorismo: A quem sofre de flatos;

Tenesmo: Dor e dificuldade para evacuar sem que haja evacuacao;

Melena: Sangue nas fezes (escuras);

Peristaltismos: Ondas contrateis que vao levar os dejetos atraves do intestino ate o reto.

 

Transtornos intestinais

 

Diarreia Eliminacao de fezes soltas, aquosas devido a rapida passagem dos produtos da eliminacao pelo trato gastrointestinal.

 

Cuidados de enfermagem

 

Repouso para reduzir o peristaltismo; oferecer condicoes para locomocao ao sanitario ou comadre se for o caso; realizar ou auxiliar na higiene intima a cada evacuacao; oferecer hidratacao VO – Via Oral.

 

Obstipacao ou Constipacao: Atraso dos movimentos dos produtos de eliminacao e que geralmente vai ocorrer no intestino grosso. Apresenta fezes duras e secas; podendo ocorrer fecaloma que sao fezes colabadas na parede do intestino, fazendo-se necessario a extracao manual.

A obstipacao pode vir associada a sintomas tipicos como: flatulencia, cefaleia, anorexia, halitose, aspereza da lingua.

 

sondagem retal

 

Definicao: E a introducao de uma sonda atraves do reto.

 

Indicacao: Flatulencias, diarreias graves, cirurgias anais.

 

Normas

 

01 - A sondagem retal devera ser feita na posicao de SIMS, a esquerda;

02 - Manter a privacidade do paciente durante o procedimento;

 

Material

 

Sonda retal n 22 ou 24,

Xylocaina gel,

Luvas,

Gazes,

Forro,

Esparadrapo.

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Reunir o material;

03 - Explicar o procedimento ao paciente;

04 - Proteger o paciente com biombo;

05 - Colocar o paciente em posicao de SIMS, a esquerda;

06 - Calcar luvas;

07 - Lubrificar a sonda retal;

08 - Separar a prega interglutea expondo a regiao anal com gazes;

09 - Introduzir a sonda retal de 8 a 10 cm, pedindo para o paciente respirar fundo;

10 - Fixar a sonda, caso necessario;

11 - Retirar luvas;

12 - Deixar o paciente em posicao confortavel;

13 - Lavar as maos;

14 - Anotar no prontuario do paciente o horario do procedimento e se houve retorno;

 

 

lavagem intestinal (enteroclisma)

 

Definicao: E a entrada de uma quantidade de liquido no intestino atraves de uma sonda retal.

 

Indicacao: Distensao e flatulancia abdominal, constipacao intestinal, preparo para cirurgia, tratamento intestinal ou radiografia

 

Material

 

Solucao comercial do enteroclisma (glicerina), aquecida ou gelada conforme a indicação;

Forro;

Vaselina ou xylocaina geléia;

Papel higiênico;

Comadre;

Biombos;

Sonda retal;

Gazes;

Equipo de soro;

Luvas;

Suporte de soro;

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Reunir o material;

03 - Explicar o procedimento e a finalidade ao paciente;

04 - Cercar a cama com biombo;

05 - Colocar sobre a mesa de cabeceira a solucao de glicerina, gazes e xylocaina;

06 - Colocar a comadre sobre a escadinha;

07 - Colocar o paciente em decubito lateral esquerdo, deixando-o coberto;

08 - Colocar o forro sob as nadegas do paciente para proteger a cama;

09 - Adaptar o equipo de soro ao frasco do clister, retirando o ar do equipo;

10 - Colocar o frasco no suporte de soro;

11 - Calcar as luvas;

12 - Conectar a sonda retal a extremidade do equipo, retirando o ar da mesma;

13 - Lubrificar a sonda com xylocaina;

14 - Separar a prega interglutea com gazes expondo a regiao anal;

15 - Introduzir a sonda no reto, cerca de 8 a 10 cm com cuidado e vagarosamente;

16 - Abrir a pinca do equipo de soro e deixar a solucao correr ate o final;

17 - Fechar a pinca do equipo;

18 - Retirar a sonda ao termino da solucao;

19 - Desprezar a sonda envolvida no papel higienico e o frasco no lixo do banheiro;

20 - Orientar o paciente para reter a solucao durante alguns minutos;

21 - Colocar o paciente na comadre, ou leva-lo ao banheiro, deixando o papel higienico em suas maos;

22 - Retirar a comadre e levar ao banheiro, desprezando o conteudo lavando-a;

23 - Retirar luvas;

24 - Oferecer material para lavagem das maos ao paciente, se necessario;

25 - Deixar a unidade em ordem e o paciente confortavel;

26 - Lavar as maos;

27 - Anotar no prontuario: horario, quantidade da solucao usada e retorno;

 

Obs: - Diminuir ou interromper momentaneamente o fluxo do liquido, se o paciente queixar de dor.

- Nao deixar entrar ar no intestino;

- Quando o liquido nao entrar por obstrucao da sonda, fazer movimentos delicados com a mesma;

- Nunca forcar a introducao da sonda;

- Ao introduzir a sonda, pedir ao paciente que inspire e expire profundamente, a fim de manter o relaxamento;

- Se a lavagem for gota a gota, controlar rigorosamente o gotejamento.

 

Sondagem nasogastrica

 

Definicao: E a introducao de uma sonda atraves das fossas nasais ate a regiao gastrica (estomago).

 

Finalidade Alimentacao (gavagem), Lavagem e aspiracao gástrica, pos operatorio de cirurgias gastricas; obstrucao intestinal, peritonite; pancreatite aguda.

 

Normas

 

01 - Se o objetivo da sondagem for a alimentacao, esta devera permanecer no paciente no maximo 3 dias.

Apos este tempo devera ser trocado por uma sonda nasoenteral, se ainda continuar a alimentação atraves da sonda;

02 - Quando o objetivo da sondagem for a drenagem, usar SNG com sistema coletor aberto;

03 - A fixacao da sonda devera ser trocada a cada 24 horas ou sempre que necessario, e feito rodizio do local da fixacao para evitar lesoes da pele;

04 - Ao realizar a sondagem nasogastrica, realizar os testes de verificacao do posicionamento da sonda nasogastrica;

 

Material

 

Sonda levine no 12 ou 14 para alimentacao, se for para lavagem gastrica no 18 ou 20,

Seringa de 20 ml,

Gazes,

Lubrificante (xylocaina geleia),

Cadarco de esparadrapo ou canudinho de plastico,

Esparadrapo,

Estetoscopio,

Luvas de procedimento,

Copo com agua.

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Verificar a prescricao medica;

03 - Preparar o material;

04 - Levar o material ate o paciente;

05 - Orientar o paciente quanto a necessidade da sondagem;

06 - Colocar o paciente em decubito elevado;

07 - Delimitar com esparadrapo a extensao de introducao da sonda medindo do nariz ao lobulo da orelha e deste ate o apendice xifoide;

08 - Calcar luvas;

09 - Lubrificar a sonda com auxilio de uma gaze com xylocaina gel;

10 - Solicitar ao paciente que mantenha o pescoco em ligeira flexao e inspire profundamente durante a introducao da sonda na narina e que degluta varias vezes, facilitando a passagem da sonda pelo esofago;

11 - Introduzir a sonda lentamente ate a altura marcada;

12 - Executar o teste de verificacao da localizacao da sonda;

13 - Fixar a sonda nasogastrica;

14 - Datar e assinar no esparadrapo da fixacao da sonda;

15 - Deixar o paciente confortavel;

16 - Deixar a unidade em ordem;

17 - Anotar no prontuario do paciente.

 

Teste Para Avaliar se a Sonda Esta no Estomago

 

Aspirar 20 ml de ar e injetar na sonda com o estetoscópio previamente posicionado abaixo do apêndice xifóide, ausculta-se o ruído hidro-aereo.

Conectar a seringa na sonda e aspirar, se estiver no estomago, saira suco gastrico.

 

 

Sonda Nasoenterica

 

Definicao: E a introducao de sonda atraves da fossa nasal ate o duodeno.

 

Indicacao: Alimentacao prolongada.

 

Material

 

Sonda nasoenterica tipo Doobhoff

Xylocaina gel

Seringa de 20 ml

Luvas de procedimento

Fio guia

Esparadrapo/ micropore ou similar;

Estetoscopio

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Verificar a prescricao medica;

03 - Preparar o material;

04 - Orientar o paciente quanto a necessidade da sondagem;

05 - Colocar o paciente em decubito lateral direito;

06 - Delimitar com esparadrapo a extensao de introducao da sonda medindo do lobulo da orelha ate a ponta do nariz, e deste ate o apendice xifoide mais 15 cm;

07 - Calcar luvas;

08 - Lubrificar o mandril e a propria sonda com xylocaina introduzida com seringa;

09 - Introduzir o fio guia no interior da sonda;

10 - Solicitar ao paciente que mantenha o pescoco em ligeira flexao;

11 - Solicitar ao paciente que inspire profundamente a medida que a sonda e introduzida e que degluta varias vezes, facilitando sua introducao;

12 - Introduzir a sonda ate a marcacao;

13 - Retirar o fio guia com cuidado;

14 - Executar testes para verificar a localizacao da sonda;

15 - Fechar a extremidade da sonda;

16 - Fixar a sonda com esparadrapo na face;

17 - Deixar o paciente confortavel;

18 - Deixar a unidade em ordem;

19 - Anotar no prontuario.

 

 

Lavagem Gastrica

 

Definicao: E a introducao de solucao liquida geralmente soro fisiologico atraves da sonda nasogastrica para retirar residuos do estomago.

 

Indicacao: Hemorragias digestivas altas, Intoxicacao exogena.

 

Material

 

Lubrificante xylocaina geleia,

Sonda nasogastrica no 18 ou 20,

Soro fisiologico de 250 ml,

Equipo soro,

Sistema coletor aberto,

Luvas,

Gazes.

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Verificar a prescricao medica;

03 - Preparar o material;

04 - Se o paciente ja estiver sondado e so proceder a tecnica da lavagem, se nao e necessario sonda-lo primeiro;

05 - Orientar o paciente quanto ao procedimento;

06 - Colocar o paciente em posicao fowler ou com cabeceira elevada;

07 - Calcar luvas;

08 - Testar a sonda;

09 - Adaptar o equipo de soro na sonda que esta ligada ao frasco;

10 - Abrir a pinca do equipo de soro e deixar drenar 250 ml;

11 - Fechar a pinca do equipo de soro;

12 - Deixar drenar todo liquido infundido por sinfonagem;

13 - Repetir a lavagem ate que o retorno esteja claro;

14 - Apos termino da lavagem deixar a sonda aberta;

15 - Deixar o paciente em posicao confortavel;

16 - Medir o retorno e despreza-lo;

17 - Retirar luvas;

18 - Encaminhar o material utilizado ao expurgo;

19 - Lavar as maos;

20 - Anotar no prontuario do paciente a lavagem com seu resultado.

 

 

Alimentacao

 

 

Normas

 

 

01 - Pacientes incapazes de se alimentar sozinhos, precisam ser ajudados durante as refeicoes, e outros necessitam que se leve alimentos a boca;

02 - Orientar os visitantes, para nao dar alimentos aos pacientes com dietas controladas e restritas;

03 - Levar em consideracao, na aceitacao da dieta, algumas razoes importantes, de ordem pessoal, que deverao ser observadas pela Equipe de Enfermagem: costume familiar, origem nacional, costumes regionais, costumes religiosos, bases economicas e opiniao pessoal;

04 - Em pacientes acamados, que podem alimentar-se por si mesmos, coloca-los em posição confortavel no leito e com a mesinha de refeicao a sua frente;

05 - O mais importante quando estiver alimentando um paciente e nao mostrar ter pressa para dar o que comer;

06 - Ao paciente que nao pode ver a bandeja da refeicao, devem ser ditos os nomes dos alimentos contidos na bandeja e sempre adverti-lo quando estiver quente;

07 - Pacientes que desejam acrescer, retirar ou substituir alimentos ou liquidos a sua refeicao, deverao requisita-lo atraves da Enfermagem, ao S.N.D., o qual, de acordo com sua dieta, ira oferta-los ou substitui-los;

08 - Observar se as dietas estao sendo oferecidas ao paciente, de acordo com a prescricao medica;

09 - Pacientes com restricao hidrica, deverao ser esclarecidos no tocante a ingestao de liquidos;

10 - Administrar a dieta, logo que a mesma chegar, impedindo com isto que a alimentacao esfrie.

 

 

Alimentacao por sonda nasogastrica, gastrostomia e jejunostomia

 

Material

 

Recipiente com dieta prescrita,

Recipiente com agua filtrada,

Gazes limpas,

Equipo de Soro,

Luvas para procedimento,

Cuba rim,

Seringa de 20 ml.

 

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Identificar a dieta e o paciente;

03 - Explicar ao paciente o que sera feito;

04 - Colocar o paciente em posicao fowler;

05 - Calcar as luvas de procedimento;

06 - Conectar ao recipiente da dieta, um equipo de soro fechado;

07 - Colocar este recipiente com o equipo, no suporte de soro, proximo ao paciente, a uma altura de 40 a 50 cm;

08 - Abrir o equipo de soro e deixar a dieta correr ate o final do mesmo, fechando-o;

09 - Retirar ar do equipo, se por ventura vier a formar;

10 - Verificar a temperatura da dieta;

11 - Verificar se a S.N.G. esta realmente no estomago do paciente, aspirando com uma seringa e observando o retorno do suco gastrico, desprezando-o na cuba-rim;

12 - Conectar o equipo de soro a sonda nasogastrica e abrir a valvula reguladora do equipo, controlando o gotejamento;

13 - Deixar a dieta escoar pela forca da gravidade, observando reacoes do paciente;

14 - Clampear o equipo de soro, ao final da dieta;

15 - Desconectar o equipo de soro da S.N.G., trocando-o por outro, previamente conectado a um recipiente igual ao da dieta, contendo agua filtrada;

16 - Abrir a valvula reguladora do equipo e deixar fluir a agua filtrada (- 100 ml) ou ate limpar a sonda nasogastrica, dos residuos alimentares;

17 - Desconectar o equipo de soro da sonda nasogastrica e fecha-la;

18 - Limpar e secar, se necessario, a sonda nasogastrica (na parte externa), se houver presenca de liquido, com a gaze limpa;

19 - Manter o paciente em posicao fowler por uma hora, apos administracao da dieta, para facilitar a digestao, evitar mal-estar e refluxo;

20 - Colocar tudo no lugar, deixando a unidade em ordem;

21 - Lavar as maos;

22 - Anotar no prontuario.

 

Obs: - Nos casos de jejunostomia e gastrostomia, o procedimento e o mesmo. Apenas, ao conectar o equipo de soro a jejunostomia ou a gastrostomia, poderá ser necessário o uso de um adaptador.

 

 

Alimentacao gota a gota por sondas em geral

 

Material

 

Frasco com dieta prescrita,

Frasco com agua filtrada,

Equipo de Soro (02 unidades),

Seringa 20 ml,

Gazes limpas,

Luvas para procedimento,

Cuba-rim.

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Identificar a dieta e o paciente;

03 - Orientar o paciente quanto ao procedimento;

04 - Colocar o paciente em posicao fowler;

05 - Calcar as luvas de procedimento;

06 - Adaptar o equipo ao frasco da dieta;

07 - Retirar todo o ar do circuito;

08 - Colocar o frasco da dieta no suporte de soro a uma altura de 40 a 50 cm, proximo ao paciente;

09 - Verificar se a sonda esta na posicao correta, aspirando com uma seringa e observando o retorno do suco gastrico, desprezando-o numa cuba-rim;

10 - Verificar a temperatura da dieta;

11 - Conectar o equipo de soro a sonda, abrindo a valvula reguladora do equipo;

12 - Controlar o gotejamento que devera ser constante e lento (gota a gota);

13 - Observar as reacoes do paciente;

14 - Clampear o equipo de soro ao final da dieta;

15 - Desconectar o equipo de soro da sonda, trocando-o por outro, previamente conectado a um recipiente igual ao da dieta, contendo agua filtrada;

16 - Abrir a valvula reguladora do equipo e deixar fluir a agua filtrada (100 ml) ou ate limpar a sonda, para conservar a permeabilidade da sonda;

17 - Desconectar o equipo de soro da sonda e fecha-la;

18 - Limpar e secar, se necessario, a sonda (na parte externa), se houver presenca de liquido, com a gaze limpa;

19 - Orientar o paciente para que fique em posicao fowler por uma hora, para facilitar a digestao, evitar mal-estar e refluxo da dieta;

20 - Desprezar as luvas;

21 - Colocar tudo no lugar, deixando a unidade do paciente em ordem;

22 - Lavar as maos;

23 - Anotar no prontuario.

 

 

Alimentacao via oral a paciente incapacitado de alimentar-se

 

Material

 

Recipiente com dieta prescrita,

Mesa de refeicao,

Talheres,

Forro.

 

Tecnica

 

01 - Lavar as maos;

02 - Identificar o paciente;

03 - Verificar se a dieta esta de acordo com a prescricao;

04 - Proporcionar ambiente adequado para a refeicao, considerando: ordem, limpeza e odores;

05 - Explicar ao paciente o que vai ser feito;

06 - Elevar a cabeceira da cama, mantendo o paciente em posicao confortavel;

07 - Colocar o forro sobre o torax do paciente, para protecao da roupa;

08 - Colocar a mesa de refeicao sobre o leito;

09 - Colocar material para lavar as maos do paciente, sobre a mesa de refeicao, se houver necessidade;

10 - Colocar a dieta sobre a mesa de refeicao;

11 - Servir a dieta vagarosamente e em pequenas porcoes;

12 - Limpar a boca do paciente com o forro, sempre que necessario;

13 - Oferecer agua ao paciente;

14 - Retirar a mesa de refeicao;

15 - Realizar a higiene oral do paciente;

16 - Aguardar que o funcionario do S.N.D. venha recolher o material da dieta;

17 - Deixar o paciente em posicao confortavel;

18 - Colocar tudo no lugar, deixando a unidade do paciente em ordem;

19 - Lavar as maos;

20 - Anotar no prontuario a dieta ingerida e a quantidade.