Make your own free website on Tripod.com

ENFERMAGEM

Mecanica Corporal
Home
Pressao Venosa Central
Cuidados com Transfusao
Cuidados nas aplicacoes termicas
Cuidados com traqueostomia
Cuidados com oxigenoterapia
Cuidados com tricotomia
Cuidados com curativos
Coleta de Material para exames
Cuidados com aspiracao traqueal
Preparo do corpo pos morte
Cuidados geniturinario
Cuidados gastrointestinais
Administracao de medicamentos
Glossário de Termos Técnicos
Mecanica Corporal
Nutricao
Historico de Enfermagem
Cuidados com cateter pos pilorico

Nocoes Basicas sobre Mecanica Corporal

Introducao

A mecanica corporal e o esforco coordenado dos sistemas musculo esqueleticos e nervoso para manter o equilibrio adequado , postura e alinhamento postural , durante a inclinacao , movimentacao , levantamento de carga e execucao das atividades diarias . O movimento adequado do corpo reduz o risco de lesar o sistema musculo esqueletico . A mecanica corporal tambem facilita o movimento para que uma pessoa possa executar atividades fisicas sem usar sua energia muscular .
Em situacoes clinicas , os profissionais de enfermagem ajudam os pacientes a se posicionar , andar e aumentar suas atividades . O profissional podem tambem necessitar mover um paciente que esteja imobilizado . sua melhor forma de auto protecao quando esta prestando servico a um paciente , e incorporar os principios de uma correta mecanica corporal na pratica , de modo coerente e habitual . Isto diminuira o risco de lesoes no sistema musculo esqueletico .
A mecanica corporal esta baseada em tres areas : alinhamento ; equilibrio e movimentos coordenados corporais .
Com objetivos :
usar adequadamente as funcoes do esqueleto , musculos esqueleticos e sistema nervoso na regulacao dos movimentos .
discutir as influencias fisiologicas no alinhamento corporal e mobilidade das articulacoes .
discutir as influencias patologicas no alinhamento corporal e mobilidade das articulacoes .
avaliar as alteracoes no alinhamento corporal e mobilidade das articulacoes .
estabelecer um diagnostico de enfermagem correto dos disturbios no alinhamento corporal e mobilidade das articulacoes .
escrever os planos de assistencia de enfermagem para disturbios no alinhamento corporal e mobilidade das articulacoes .
descrever os procedimentos corretos para o levantamento de peso .
descrever as tecnicas de posicionamento nas posicoes de Fowler , supinacao , pronacao , lateral e Sims .
avaliar o plano de enfermagem para manter o alinhamento corporal e mobilidade das articulacoes .
descrever os varios procedimentos para movimentacao de pacientes e para auxilia-la no uso de aparelhos mecanicos de locomocao .























Alinhamento Corporal

O alinhamento corporal refere-se as condicoes das articulacoes , tendoes , ligamentos e musculos , em varias partes do corpo . Mesmo que uma pessoa esteja de pe , sentada ou deitada , existem formas corretas e incorretas no alinhamento corporal . O alinhamento correto reduz a distencao das articulacoes , tendoes , ligamentos e musculos e esta associado a tonicidade muscular adequada .


O equilibrio do corpo

O alinhamento corporal correto para a estabilidade4 . Quando o corpo esta desestabilizado , o centro de gravidade fica deslocado , aumentando a forca da gravidade e a possibilidade de queda . A estabilidade corporal e conseguida quando ha uma base de apoio alargada , o centro de gravidade esta dentro desta base e uma linha vertical , vem do centro de gravidade atraves dessa base de apoio .
O equilibrio corporal tambem e realcado pela postura . Quanto melhor a postura , melhor o equilibrio . O profissional pode manter o alinhamento corporal adequado usando duas tecnicas simples . Primeiro , a base de suporte pode ser aumentada , afastando-se os pes a uma certa distancia . Segundo , o equilibrio e aumentado aproximando-se o centro de gravidade da base . Pode se chegar a este resultado dobrando os joelhos e flexionando os quadris ate que a pessoa esteja agachada , mantendo a coluna reta .


Movimento Corporal Coordenado

O profissional usa uma variedade de grupos musculares para cada atividade de enfermagem . As forcas fisicas de peso e atrito podem refletir no movimento corporal e , quando corretamente usadas , aumentam a eficiencia do trabalho do profissional , caso contrario pode prejudica-lo na tarefa de erguer , transferir e posicionar o paciente .
O peso e a forca exercida no corpo pela gravidade . Quando um objeto e levantado , aquele que faz o levantamento deve ser capaz de superar o peso do objeto e saber onde se localiza o centro de gravidade desse . Nos objetos simetricos , o centro de gravidade localiza-se em seu proprio centro . Uma vez que as pessoas nao sao geometricamente perfeitas , seus centros de gravidade variam entre 55% e 57% da altura do pe e estao localizados na linha media . A forca do peso e sempre direcionada para baixo , o que faz com que um objeto em desequilibrio caia . Pacientes que nao tem equilibrio caem , uma vez que seus centros de gravidade tornam-se descentralizados e a forca gravitacional de seus pesos provoca , queda . O profissional , deve projetar intervencoes que protejam os pacientes contra quedas e que garantam sua seguranca .
O atrito e uma forca que ocorre no sentido oposto ao movimento . Uma vez que o profissional transfere , posiciona ou vira o paciente no leito , o atrito deve ser vencido . O atrito pode ser reduzido seguindo-se alguns principios .
Quanto maior a forca a area da superficie do objeto , maior e o atrito . Se o paciente nao for capaz de auxiliar na sua movimentacao no leito , seus bracos devem ser colocados sobre o peito , diminuindo a area de superficie do paciente e reduzindo , portanto o atrito .
Um paciente passivo ou imobilizando produz maior atrito na movimentacao . Quando possivel , o profissional deve usar a forca e mobilidade do paciente ao levantar , transferir ou move-lo no leito . Isto pode ser feito explicando o procedimento e dizendo ao paciente quando se mover .
O atrito pode ser reduzido se levantar o paciente , em vez de empurra-lo . Levantar facilita e diminui entre o paciente e o leito ou cadeira . O uso de um lencol para puxar o paciente diminui o atrito porque ele e facilmente movido ao longo da superficie do leito .



ANATOMIA E FISIOLOGIA
O movimento corporal coordenado envolve o funcionamento integrado dos sistemas musculo esqueletico e nervoso .

SISTEMA ESQUELETICO
O esqueleto e a estrutura de apoio do corpo e e constituido de 206 ossos .
Os quatro tipos de ossos do esqueleto sao :
Os ossos longos , contribuem para a altura ( femur ) e comprimento ( falanges ) .
Os ossos curtos apresentam-se em agrupamentos e , quando combinados com ligamentos e cartilagens , permitem a movimentacao das extremidades ( ossos do carpo dos pes ) .
Os ossos planos sao responsaveis pelo contorno estrutural ( ossos do cranio ) .
Os ossos irregulares constituem os ossos da coluna vertebral e alguns ossos do cranio como a mandibula
O esqueleto tem outras funcoes . Primeiro , e local de insercao de musculos e ligamentos . Essas insercoes permitem movimentos das partes do esqueleto tais como abrir e fechar a boca . Segundo , protege os orgaos vitais , como o cranio protege o cerebro . Terceiro , os ossos ajudam na regulacao do equilibrio de calcio , armazenando-o e liberando-o para a circulacao quando necessario . Quarto , sua estrutura interna e a medula ossea que participa na producao dos globulos vermelhos do sangue e age como um reservatorio sanguineo .

Pacientes com alteracoes da regulacao e metabolismo do calcio estao propensos ao desenvolvimento de fraturas patologicas que podem se manifestar em todos os tipos de ossos , porem sao mais encontradas nas costelas e nos ossos de sustentacao de peso .
Fraturas patologicas resultam em enfraquecimento do tecido osseo e sao causadas por osteoporose ou neoplasias . A osteoporose que resulta da reabsorcao do calcio e da diminuicao da formacao ossea , e observada na pos menopausa em pacientes imobilizados e naqueles que estejam recebendo terapia com esteroides por tempo prolongado . As neoplasias resultam de tumores osseos primarios e as metastases de neoplasias primarias , como a pulmonar . Pacientes com uma estrutura ossea fragilizada podem adquirir fraturas patologicas atraves de simples atividades , tais como descer escadas ou tossir .
Pacientes com alteracoes da funcao da medula ossea ou diminuicao na producao de globulos vermelhos apresentam fraqueza e fadiga com facilidade . Essas nao so aumentam a imobilidade dos pacientes como tambem podem coloca-los em risco de sofrer uma queda .

OSSOS
As caracteristicas dos ossos incluem : firmeza , rigidez e elasticidade . A firmeza resulta do acumulo de sais inorganicos , tais como calcio , fosfato , localizados na matriz ossea . Relaciona-se a rigidez ossea , que e necessaria para que os ossos longos se mantenham retilineos e suportem o peso . Alem disso , os ossos possuem um grau de elasticidade e flexibilidade esqueletica que e alterado com a idade .
A composicao do esqueleto muda durante toda a vida . O recem nascido possui uma grande quantidade de cartilagens e e flexivel , porem nao consegue suportar peso . Os ossos de uma crianca que comecou a andar sao mais flexiveis e capazes de suportar melhor quedas que os de um idosos . Com o avanco da idade , os ossos se tornam mais porosos e frageis , aumentando o risco de fraturas .

ARTICULACOES
A articulacao e qualquer uma das conexoes entre os ossos . Cada uma e classificada de acordo com sua estrutura e grau de mobilidade . As quatro sao :
Articulacao sinostotica aquela em que os ossos sao unidos por ossos . Nenhum movimento esta associado a este tipo de articulacao e o tecido osseo que se forma entre os ossos e responsavel pela forca e estabilidade . Um exemplo e o sacro , cujas vertebras sao fundidas .

Articulacao cartilaginosa ou sincondrial tem pouco movimento , mas e elastica e usa cartilagens para unir superficies do corpo . Sao encontradas quando os ossos sao expostos a pressao constante , tais como as articulacoes costosternais , entre esterno e costelas .

Articulacao fibrosa ou sindesmose possui uma camada espessa de tecido conjuntivo fibroso que une os ossos firmemente . Devido a flexibilidade desse tecido e possivel algum movimento das articulacoes .
Exemplo : tibia , ossos talares e seus tecidos conjuntivos formam as articulacoes do tornozelo que permitem a flexao plantar e dorsal do pe .

Articulacao sinovial ou verdadeira move-se livremente e suas superficies osseas contiguas sao cobertas por cartilagem articular e conectadas por ligamentos alinhados com a membrana sinovial . A juncao do radio e ulna por cartilagens e ligamentos forma uma articulacao sinovial .

Outros tipos de articulacoes sinoviais sao as esferoidais , tais como quadril , joelho e interfalangiana dos tecidos .

LIGAMENTOS
Os ligamentos sao faixas brancas , flexivel e brilhantes de tecido fibroso que unem as articulacoes e ligam os varios ossos e cartilagens . Sao elasticos e ajudam na flexibilidade e suporte das articulacoes .
Alem disso em algumas areas do corpo os ligamentos tem funcao de protecao ( os ligamentos entre os corpos vertebrais evitam lesoes a medula espinhal durante um movimento do dorso ) .

TENDOES
Sao bandas brancas , brilhantes e fibrosas de tecido que unem o musculo ao osso . Sao resistentes , flexiveis e apresentam-se em varios tamanhos e espessuras . O tendao de Aquiles ( tendao calcaneo ) e o mais espesso e resistente no corpo humano . Origina-se proximo ao meio da parte posterior da perna e fixa os musculos gastrocnemio e soleo da barriga da perna ao osso calcaneo da parte posterior do pe .

CARTILAGEM
E um tecido conjuntivo avascular de suporte localizado nas articulacoes , torax , traqueia , laringe , nariz e orelhas . O feto tem uma grande quantidade de cartilagem temporaria , a qual e substituida por ossos durante a infancia . A cartilagem nao e ossificada exceto em idade mais avancada e em algumas doencas tais como a osteoartrite .
As articulacoes , ligamentos , tendoes e cartilagens sao responsaveis pela forca , flexibilidade do esqueleto . A forca permite ao sistema esqueletico suportar o peso do corpo e a flexibilidade e demostrada pela amplitude de movimento das articulacoes . A forca e a flexibilidade do esqueleto nao resultam destas quatro estruturas : musculos esqueleticos apropriados tambem sao necessarios .

MUSCULO ESQUELETICO
O movimento dos musculos e articulacoes envolve um processo ativo que deve ser integrado para obter coordenacao . Os musculos esqueleticos sao os elementos de trabalho do movimento devido a sua capacidade alternada , de contracao e relaxamento . Os elementos de contracao do musculo esqueletico sao intensificados pela sua estrutura anatomica e pela fixacao ao esqueleto .



O musculo e composto de fibras estriadas paralelas sob controle voluntario . Cada musculo e recoberto por uma bainha fibrosa e e dividido em fibras contendo miofibrilas . Estas sao constituidas de filamentos grossos que contem miosina e filamentos finos que contem actina , que sao proteinas necessarias para a contracao e relaxamento muscular .
A contracao obedece a um estimulo de um impulso eletroquimico que passa do nervo ao musculo pela placa mioneural . O impulso faz com que os filamentos finos de actina encurtam-se causando a contracao muscular . A retirada do estimulo resulta em relaxamento muscular .
Ha dois tipos de contracoes :
Contracao isotonica aumento da tensao muscular resulta em encurtamento do musculo .
Contracao isometrica causa um aumento na tensao ou trabalho muscular , mas sem ocorrer encurtamento muscular .
O movimento voluntario e a combinacao das contracoes isotonica e isometrica .
Embora as contracoes isometricas nao resultem em encurtamento muscular , a energia consumida e maior . Cada musculo desempenha contracoes isotonica e isometrica . Alguns musculos sao responsaveis pelo movimento e outros pela postura .

REGULACAO DO MOVIMENTO
Os musculos que sao basicamente responsaveis pelos movimentos estao localizados perto do esqueleto , onde o movimento e causado por um sistema de alavanca . Este sistema ocorre quando ossos especificos como umero , ulna , radio e articulacoes associadas , tais como a do cotovelo , agem em conjunto como uma alavanca . A forca aplicada a uma extremidade do osso para levantar um peso faz com que em outro ponto o osso rotacione em direcao oposta a aquela que a forca foi aplicada . Os musculos fixos aos ossos do sistema de alavanca proporcionam a forca necessaria para a movimentacao do objeto . O sistema de alavanca e caracteristico dos movimentos das extremidades superiores .
Os musculos associados a manutencao da postura sao curtos e de aparencia semelhante a uma pena , porque convergem obliquamente a um tendao comum . Os musculos das extremidades inferiores e do tronco , pescoco e dorso sao responsaveis pela postura . Estes grupos musculares trabalham juntos para estabilizar e sustentar o peso do corpo quando uma pessoa esta sentada ou em pe .

Regulacao muscular da postura e movimento
Postura e movimento podem ser reflexos da personalidade e humor de um individuo . Por exemplo : um individuo comunicativo gesticula com as maos e alguem fatigado apresenta postura relaxada . A postura e o movimento dependem do esqueleto e da forma e desenvolvimento dos musculos esqueleticos . A coordenacao e regulacao de diferentes grupos musculares dependem do tono e atividade dos musculos antagonistas m sinergistas e antigravitacionais .
O tono muscular ou tonus e o estado normal de tensao muscular equilibrada . A tensao alcancada pela contracao e relaxamento alternados de fibras adjacentes de um grupo muscular especifico . O tono muscular permite a uma parte do corpo manter uma situacao de funcionamento , sem que ocorra fadiga muscular e estimula o retorno venoso ao coracao .
O tono muscular e obtido pelo uso continuo dos musculos . As atividades cotidianas requerem acao muscular e ajudam a manter o tono . O tono e o nivel de atividade diminuem em pacientes imobilizados ou acamados .
Os grupos de musculos antagonistas , sinergistas e antigravitacionais sao coordenados pelo sistema nervoso agem em conjunto para manter a postura e iniciar os movimentos .
Os musculos antagonistas agem em conjunto para movimentar as articulacoes . Durante o movimento o musculo motor ativo contrai enquanto seu antagonista relaxa . Quando ha flexao do braco , o musculo motor ativo , o biceps braquial , contrai , o seu antagonista , triceps braquial , relaxa . Durante a extensao o musculo motor ativo , agora o triceps braquial , contrai e seu antagonista agora o biceps braquial , relaxa .
Os musculos sinergistas contraem-se para executar o mesmo movimento . Quando o braco e flexionado , a forca de contracao do biceps braquial e aumentada pela contracao do musculo sinergista , o braquial . Assim ,
com a atividade do musculo sinergista , existem agora dois motores ativos , o biceps braquial e o braquial , que contraem enquanto o musculo antagonista , o triceps braquial , relaxa .
Os musculos antigravitacionais estao relacionados as articulacoes . Estes musculos opoem-se aos efeitos da gravidade no corpo e permite ao individuo manter a posicao ereta ou sentada . Em um adulto , os musculos , sao os extensores da perna , o gluteo maximo , quadriceps femoral , musculos soleares e dorsais .
Os musculos esqueleticos sao responsaveis pela postura e executam os movimentos voluntarios . Estes musculos sao fixos ao esqueleto pelos tendoes que sao responsaveis pela forca e permitem que movimentos ocorram . O movimento das extremidades e voluntario e requer coordenacao do sistema nervoso .

Regulacao do Sistema Nervoso
O movimento e postura sao regulados pelo sistema nervoso . A principal area motora voluntaria localizada no cortex cerebral e o giro pre central ou cortex motor . A maioria das fibras motoras origina-se no cortex motor e cruza o nivel da medula . As fibras motoras do cortex motor a direita iniciam movimentos repetidos para o lado esquerdo do corpo , e vice versa .
Durante os movimentos voluntarios , impulsos originam-se no cortex motor e atingem a medula espinhal . Um impulso emerge da medula espinhal pelos nervos motores eferentes e atraves deles atinge os musculos , onde o movimento ocorre . O impulso e propelido por sinapse que o mantem no curso em uma unica direcao . Ao longo das fibras mielinizadas ha uma serie de endentacoes conhecidos como nodulos de Ranvier , que aceleram a transmissao do impulso , uma vez que ele pode ser transmitido de um nodulo a outro .
A transmissao do impulso do sistema nervoso para o musculo esqueletico e um processo eletroquimico e requer um neurotransmissor . Estes sao substancias quimicas , tais como acetilcolina que transferem impulso eletricos do nervo ao musculo atraves da juncao mioneural . O neurotransmissor atinge o musculo e estimula causando movimento .
O movimento pode ser prejudicado por disturbios que alteram a producao de neurotransmissores , sua transferencia pela fenda sinaptica ou ativacao da atividade muscular . A postura ou posicao do corpo em relacao ao espaco que o circunda , e tambem regulada pelo sistema nervoso e requer coordenacao da propriocepcao e equilibrio .
A propriocepcao mantem a posicao espacial do corpo durante a atividade muscular . E controlada pelos proprioceptores que sao terminacoes nervosas localizadas nos musculos , tendoes a articulacoes . Os estimulos dos proprioceptores auxiliam a controlar a atividade muscular e a posicao do corpo durante as atividades cotidianas .
O equilibrio e auxiliado pelo controle do sistema nervoso , pelo cerebelo e orelha interna . O cerebelo esta localizado na fossa craniana posterior atras do tronco cerebral . Sua principal funcao e coordenar todos os movimentos voluntarios , como os de grande habilidade , tais como aqueles necessarios para esquiar . O cerebelo permite que uma pessoa fique de pe com os olhos fechados
Quando qualquer parte do esqueleto , musculo esqueletico ou sistema nervoso e lesada ou destruida , o movimento e prejudicado . O esqueleto pode ser danificado por ossos fraturados , articulacoes , ligamentos , tendoes e cartilagens rotos . As doencas que afetam a composicao ossea , tal como a osteoporose , restringem o movimento . As anormalidades musculares como distrofia muscular , diminuem a forca e mobilidade musculares . As doencas do sistema nervoso , como a esclerose multipla ou lesoes no sistema nervosos , tal como lesao da medula espinhal , restringem as atividades motoras voluntarias . Estas doencas aumentam o risco de deficiencia real ou potencial do alinhamento do corpo ou mobilidade das articulacoes .

PRINCIPIOS DA MECANICA CORPORAL
O uso adequado da mecanica corporal e tao importante para o profissional de enfermagem e o paciente como e a nutricao adequada ; e tambem responsavel pelo nivel de bem estar de ambos . A correta mecanica corporal e necessaria para a promocao da saude e prevencao da incapacidade .
Atividades saudaveis , como exercicios fisicos , integram os principios basicos da mecanica corporal . Exercicios adequados melhoram desempenhos e forca de alguns grupos musculares .


A integracao dos principios da mecanica corporal durante as atividades cotidianas ajuda a evitar a incapacidade . Um profissional ao ensinar aos familiares do paciente como transferi-lo de uma cama para uma cadeira , pode reforcar sua explicacao pela demonstracao apropriada da mecanica corporal .
E crucial o conhecimento basico dos principios da mecanica corporal quando o profissional esta movendo um paciente imobilizado , auxiliando-o transferir-se do leito para uma cadeira ou ensinando-o como executar as atividades diarias de forma diferente . O profissional tambem incorpora conhecimento das influencias fisiologicas e patologicas no alinhamento e mobilidade corporais .
Quadro da pagina seguinte



ALTERACOES NO DESENVOLVIMENTO
Durante toda a vida , o corpo passa por mudancas normais de aparencia e funcionamento . O impacto das alteracoes fisiologicas no sistema musculo esqueletico e observado na infancia e na velhice .

Recem Nascido
A coluna vertebral de um recem nascido e flexivel e nao possui as curvaturas antero posteriores do adulto . A primeira curvatura da coluna ocorre quando o bebe estica o pescoco na posicao de brucos . Assim o crescimento e a estabilidade aumentam , a coluna toracica retifica-se e a curvatura da coluna lombar aparece , permitindo ao bebe sentar-se ereto e ficar de pe . O sistema musculo esqueletico dos bebes e flexivel . Observa-se que suas extremidades ficam fletidas e as articulacoes apresentam uma amplitude total de movimentacao . Assim que o bebe se desenvolve , o sistema musculo esqueletico torna-se mais pronunciado e o bebe esta apto a resistir aos movimentos e pode estender seus bracos e segurar objetos . A medida que cresce o desenvolvimento musculo esqueletico permite ao bebe suportar seu proprio peso e andar . A postura do bebe e desajeitada porque a cabeca e a parte superior do tronco sao impulsionadas para frente . Uma vez que o peso do corpo nao e distribuido uniformemente segundo uma linha de gravidade , a crianca perde o equilibrio e cai com facilidade .

Bebes ate 3 anos de idade
A postura dos bebes com o abdomen protuberante e uma leve curvatura dorsal e desajeitada .Quando o bebe anda , pernas e pes ficam afastados e os pes ligeiramente evertidos . Proximo ao fim desta face , a postura tende a se normalizar , as curvaturas das vertebras lombares e cervicais acentuadas e aversao dos pes desaparece .

CRIANCAS
Por volta do terceiro ano de vida , o corpo da crianca e mais magro , mais alto e melhor equilibrado . A protrusao abdominal diminui m os pes nao estao tao separados , os bracos e pernas aumentaram em seu comprimento e a crianca parece mais coordenadas . Do terceiro ano ate o inicio da adolescencia , o sistema musculo esqueletico continua a se desenvolver . Os ossos longos dos bracos e pernas crescem . Os musculos , ligamentos e tendoes tornam-se mais resistentes resultando em uma melhora da postura e aumento da rigidez muscular . Uma maior coordenacao permite a crianca executar tarefas que requerem habilidades motoras finais.

ADOLESCENTE
Este estagio e iniciado por um estirao de crescimento , que e desproporcional e o adolescente parece desajeitado e descoordenado . As meninas desenvolvem-se mais cedo do que os meninos . Os quadris alargam e o tecido gordurosos deposita-se na porcao superior dos bracos , coxas e nadegas , enquanto os meninos a mudanca no corpo e ocasionada pelo crescimento dos ossos e aumento da massa muscular . As pernas crescem , o quadril se torna menos e o desenvolvimento muscular ocorre no torax , bracos , ombros e parte superior das pernas .

ADULTO
O adulto que tem boa postura e alinhamento corporal adequado , sente-se bem a aparenta autoconfianca. O adulto sadio apresenta desenvolvimento musculo esqueletico e coordenacao necessarios a execucao de atividades cotidianas . As alteracoes normais na postura e alinhamento corporal na vida adulta ocorrem nas


gestantes .Estas alteracoes resultam de uma resposta do proprio corpo de acordo com o aumento de peso e crescimento do feto . O centro de gravidade desloca-se em direcao anterior . A gestante deve inclinar-se para tras e mover-se suavemente para os lados . Ela pode se queixar de dores nas costas .

IDOSOS
O processo de envelhecimento resulta em alteracoes musculo esqueleticas . Alteracoes degenerativas das articulacoes podem diminuir a amplitude de movimentacao destas articulacoes . A massa e a forca dos musculos esqueleticos podem ser reduzidas . Alteracoes na estrutura da matriz ossea podem resultar em ossos frageis e quebradicos . Individuos idosos , principalmente mulheres , possuem maior flexao da coluna cervical . O idoso anda mais devagar a aparenta Ter menor coordenacao . Pode dar passos menores , mantendo os pes juntos , o que diminui a base de sustentacao . Assim , o equilibrio do corpo fica instavel e o individuo corre maior o risco de sofrer quedas e ferimentos .


Influencias patologicas na mecanica corporal
Afetam o alinhamento corporal e a mobilidade das articulacoes . Sao :

Anormalidades posturais
Congenitas ou adquiridas afetam a eficiencia do sistema musculo esqueletico , assim , como o alinhamento corporal , equilibrio e aparencia . Essas anormalidades prejudicam a mobilidade e o alinhamento .
E necessario que o profissional tenha algum conhecimento sobre caracteristicas , causas e tratamento das anormalidades posturais comuns .
O profissional usa o conhecimento basico , primeiro para melhorar o alinhamento corporal do paciente durante o levantamento , transferencia ou posicionamento de pesos . Segundo , uma vez que algumas anormalidades posturais afetam a amplitude de movimento das articulacoes , o profissional deve incentivar o uso das articulacoes que nao apresentam sinais de comprometimento . Em terceiro , , o profissional deve estar habilitado a esquematizar intervencoes de enfermagem visando o enrijecimento dos grupos musculares e articulares afetados , melhora da postura do paciente e uso apropriado dos grupos musculares comprometidos ou nao .

Disturbios na formacao ossea
Atividades funcionais osseas incluem modelagem , remodelagem e reparo .
A modelagem envolve o processo de crescimento permitindo que os ossos do recem nascido se desenvolvam identicamente aqueles dos adultos e depende de fatores fisiologicos e alimentares .
A remodelagem ocorre no esqueleto em desenvolvimento e ja desenvolvido e envolve o acoplamento dos processos constantes de reabsorcao e formacao osseas .
O reparo e o processo celular que ocorre em resposta a uma fratura .
Os profissionais de enfermagem cuidam de pacientes que apresentam alteracoes reais e potenciais na modelagem , remodelagem e reparo osseo . O nanismo acondroplasico resulta em ossificacao prematura e diminuicao do desenvolvimento esqueletico . A osteogenese imperfeita resulta em ossos frageis e quebradicos . A osteoporose resulta na perda de massa ossea . A osteomalacia causa reducao da densidade ossea . O raquitismo resulta na formacao ossea anormal . A doenca de Paget causa destruicao ossea excessiva e reparo desorganizado .

Alteracoes na mobilidade articular
Pode ser alterada por inflamacao , degeneracao ou ruptura articular . A artrite e uma inflamacao articular caracterizada por edema , dor .Pode resultar de uma reacao inflamatoria direta nos tecidos articulares , como na artrite gotosa , de um processo infeccioso , como na artrite septica ou de um processo inflamatorio de origem imunologica , como na artrite reumatoide .

A degeneracao articular e caracterizada por alteracoes na cartilagem articular , combinada ao crescimento excessivo dos ossos nas extremidades articulares . As articulacoes sinoviais sao afetadas e as alteracoes degenerativas normalmente afetam as articulacoes de sustentacao do peso . Embora a doenca degenerativa nao seja causada por inflamacao , e denominada osteoartrite .
A ruptura articular pode ser tao leve como uma torcao ou tao grave quanto um deslocamento . Nessa ruptura ocorre trauma nas capsulas articulares , como uma laceracao na torcao ou separacao no deslocamento . A ruptura articular e resultante de um trauma , porem pode ser congenita , como a displasia congenita do quadril .
Inflamacao , degeneracao ou ruptura articulares alteram o grau de mobilidade das articulacoes afetadas . Os profissionais devem conhecer a causa da limitacao da mobilidade articular , bem como fazer avaliacao e planejar intervencoes de enfermagem visando manter e melhorar a amplitude de movimento das articulacoes do paciente .

DISTURBIOS DO DESENVOLVIMENTO MUSCULAR
O desenvolvimento muscular inadequado afeta o alinhamento , equilibrio e mobilidade . As distrofias musculares sao os disturbios mais comuns no desenvolvimento dos musculos esqueleticos . Sao um grupo de doencas de origem genetica , caracterizadas por alteracoes patologicas progressivas nos musculos esqueleticos , resultando em perda muscular e fraqueza . As varias formas de distrofia muscular podem afetar um unico grupo muscular ou grupos musculares .

LESOES AO SISTEMA NERVOSO CENTRAL
A lesao de qualquer componente do sistema nervoso central que regula os movimentos voluntarios resulta em uma deficiencia do alinhamento corporal e da mobilidade . Por exemplo , o cortex motor do cerebro pode ser lesado por trauma causado por ferimento na cabeca . A deficiencia de movimentos voluntarios esta relacionada ao grau de destruicao do cortex motor . No caso de uma pessoa com hemorragia cerebral do lado direito , com necrose total , o resultado e a destruicao do cortex motor direito , com hemiplegia do lado esquerdo . Um a pessoa com uma lesao cerebral no lado direito pode ter apenas um edema cerebral ( mas nao destruicao do cortex motor ) e com fisioterapia intensa , o movimento voluntario volta ao lado esquerdo .
Devido as fibras voluntarias originarem-se no cortex cerebral motor e descerem ate a medula espinhal , um traumatismo dessa tambem compromete a mobilidade . O traumatismo mais comum e a transeccao da medula espinhal , na qual as fibras motoras sao seccionadas , havendo perda completa e bilateral do controle motor voluntario , abaixo do nivel do trauma .

Traumatismo musculo esqueletico
Pode resultar em equimoses , contunsoes , torcoes e fraturas . A fratura e uma ruptura na continuidade do tecido osseo . As mais comuns resultam de um trauma externo direito , porem tambem podem ocorrer tanto como consequencia de alguma deformidade ossea , quanto como fraturas patologicas da osteoporose .
Na cicatrizacao de uma fratura , o proprio osso incumbe-se do reparo . Durante esse processo , o osso fraturado inicia um processo celular que resulta na formacao ossea . Em criancas , os ossos regeneram-se com mais facilidade que nos adultos e , como resultado , elas tem menos complicacoes quando um osso e fraturado . O tratamento visa o correto alinhamento do osso fraturado e sua imobilizacao , para que a cicatrizacao e o reparo osseo em seus processos normais . A imobilizacao resulta numa certa atrofia muscular , perda de tono e enrijecimento das articulacoes . O profissional elabora um programa de exercicios apropriados para a recuperacao completa e gradual da mobilidade articular e da forca muscular da area afetada .
Qualquer fator congenito ou adquirido que comprometa a estrutura do sistema musculo esqueletico ou nervoso afeta , ate certo grau a mobilidade das articulacoes ou alinhamento corporal do paciente . O dano pode ser temporario ou permanente .




AVALIACAO
Avaliacao do alinhamento corporal
Pode ser realizado com ele de pe , sentado ou deitado . Possui seis objetivos :
determinar as alteracoes fisiologicas normais no alinhamento corporal resultante do crescimento e desenvolvimento
identificar os desvios no alinhamento corporal causados por posturas inadequadas .
dar a oportunidade ao paciente para observar sua propria postura
identificar necessidades de aprendizagem do paciente para a manutencao do alinhamento corporal correto
identificar a presenca de um traumatismo , lesao muscular ou disfuncao de nervos
obter informacoes relativas aos outros fatores que contribuam para o alinhamento indevido , tais como fadiga , ma nutricao e problemas psicologicos .

O primeiro passo e deixar o paciente relaxado . Quando se faz a avaliacao do alinhamento corporal de um paciente imobilizado ou inconsciente , todos os travesseiros e suportes de posicionamento devem ser removidos do leito e o paciente deve estar na posicao supina .

EM PE
Centralizar a avaliacao do alinhamento corporal de um paciente em pe , nos seguintes aspectos :
a cabeca deve estar ereta na posicao mediana
quando observados posteriormente , os ombros e quadris devem estar paralelos e retos
quando observada posteriormente , a coluna deve estar reta
quando o paciente e observado lateralmente , a cabeca deve estar ereta e as curvaturas da coluna alinhadas em um padrao S inverso . As vertebras cervicais tem convexidade anterior , as toracicas , posteriores e as lombares anterior .
quando observado lateralmente , o abdomen deve estar relaxado e os joelhos e tornozelos levemente flexionados . A pessoa deve estar se sentindo confortavel e nao estar consciente da flexao dos joelhos e tornozelos
os bracos devem estar confortavelmente soltos .
os pes devem ser colocados um pouco afastados para que se tenha uma boa base de sustentacao e os dedos posicionados para a frente
quando o paciente e observado anteriormente o centro de gravidade localiza-se em uma linha mediana e a linha de gravidade esta a um ponto mediano posicionando entre a cabeca e os pes . Lateralmente a linha de gravidade e vertical desde a parte mediana do cranio ate o terco posterior do pe

SENTADO
O profissional avalia o alinhamento do paciente sentado pelas observacoes :
a cabeca deve estar ereta , pescoco e coluna vertebral devem estar retos .
o peso do corpo esta distribuido nas nadegas e coxas .
as coxas sao paralelas e em um plano horizontal .
os pes apoiados no chao . Com pacientes de estatura baixa , usa-se um banquinho para os pes e os tornozelos ficam flexionados .
deve-se manter uma distancia de 2,5 a 5 cm entre a borda do assento e o espaco poplietal , na superficie posterior dos joelhos . Este espaco assegura que nao havera pressao na arteria ou no nervo popliteo , o que causaria uma diminuicao da circulacao ou prejuizo da funcao do nervo .
os antebracos estao apoiados no descanso para bracos , no colo ou sobre uma mesa em frente a uma cadeira


DEITADO
Pessoas conscientes tem controle muscular voluntario e percepcao normal de pressao . Assumem uma posicao confortavel quando deitadas . Com sua amplitude de movimento , sensacao e circulacao estao dentro do limite normal , esses individuos mudam de posicao quando sentem uma tensao muscular e diminuicao da circulacao .
Pacientes com risco de lesoes no sistema musculo esqueletico quando deitados , compreendem aqueles que apresentam mobilidade prejudicada , como os em tracao ; aqueles com sensibilidade reduzida como os com hemiparesia resultante de um AVC ; aqueles com disturbios circulatorios , como os diabeticos e aqueles com deficiencia do controle muscular voluntario , como os com lesoes na medula espinhal .
Quando um paciente nao consegue mudar sua posicao voluntariamente , o profissional deve avaliar a posicao das partes do corpo enquanto o mesmo estiver se deitando . A coluna deve estar em alinhamento reto sem apresentar qualquer curvatura . As extremidades devem estar soltas e nao cruzadas . A cabeca e pescoco devem estar alinhados sem excessiva flexao ou extensao .

Avaliacao da mobilidade articular
Permite ao profissional determinar a coordenacao equilibrio do paciente enquanto ele anda , sua capacidade de executar atividades cotidianas , bem como sua participacao em programas de exercicios fisicos . A avaliacao da mobilidade apresenta tres componentes : amplitude do movimento articular , marcha e exercicios .

Amplitude do movimento articular
E a quantidade maxima de movimento possivel em uma articulacao , em um dos tres planos do corpo : sagital , frontal e transversal .
O plano sagital e uma linha que passa atraves do corpo , de sua parte anterior para a posterior , dividindo-o em dois lados , o esquerdo e o direito . O plano frontal passa atraves do corpo de um lado para o outro e divide-o em anterior e posterior .
O plano transversal e uma linha horizontal que divide o corpo em duas partes , a superior e a inferior .
A mobilidade articular em cada um destes planos e limitada em direcao pelos ligamentos , musculos e estruturas das articulacoes . Existem movimentos que sao especificos de cada plano do corpo .
No plano sagital , flexao e extensao e hiperextensao .
No plano frontal , sao abducao e aducao , eversao e inversao .
No plano transversal , sao pronacao e supinacao , rotacao interna e externa , dorsiflexao e flexao plantar .

O profissional avaliando a amplitude do movimento articular , coleta dados para verificar se ha rigidez , edema , dor , limitacao de movimento e desigualdade nos movimentos das articulacoes . Pacientes cuja mobilidade articular e restrita devido a uma enfermidade , incapacidade ou traumatismo , precisam exercitar suas articulacoes para reduzir os riscos de imobilidade . Estes exercicios realizados pelo profissional de enfermagem , sao exercicios passivos de amplitude para movimentacao articular


Marcha
E a maneira ou estilo de andar , e abrange ritmo , cadencia e velocidade . Avaliar a marcha do paciente permite ao profissional tirar conclusoes a respeito do equilibrio , postura e habilidade de andar sem auxilio .
O profissional observa o aspecto geral do paciente , ao andar . A postura do adulto e bem alinhada . A marcha propriamente dita baseia-se em quatro fases : batida do calcanhar , postura , impulso e balanceio .Durante a batida do calcanhar , o pe esta em um angulo reto com a perna . O joelho esta estendido mas nao travado , pronto para uma suave flexao assim que o peso do corpo for transferido para a frente , na fase de impu7lso . Durante a postura , o tronco e mantido na posicao vertical onde a cabeca e o pescoco estao alinhados. No impulso ha uma flexao plantar do pe e uma hiperextensao das articulacoes metatarsofalangianas dos dedos . Durante o balanceio o pe locomove-se do chao em alinhamento correto . O ritmo do movimento e imutavel e permanece coordenado .

Exercicios
E a execucao de qualquer atividade fisica para condicionar o corpo , melhorar a saude , manter a forma , proporcionar terapia corretiva para uma deformidade ou ainda restabelecer um estado maximo de saude do corpo inteiro . Quando uma pessoa pratica exercicios , ocorrem alteracoes fisiologicas nos sistemas corporeos .
Para sustentar um aumento da atividade muscular durante o exercicio , o suprimento sanguineo enviado aos musculos deve aumentar . A frequencia cardiaca aumenta , a forca contratil do musculo cardiaco do ventriculo esquerdo aumento , assim como o volume de sangue ejetados . O aumento da frequencia cardiaca e do volume sistolica aumentam o debito cardiaco . A dilatacao de arteriolas dos musculos esqueleticos aumenta o fluxo sanguineo e a oxigenacao dos tecidos musculares . A superficie corporea ruboriza-se e aquece-se como resultado de uma hiperemia localizada da dilatacao arteriolar .
O aumento da atividade fisiologica durante o exercicio requer um aumento do suprimento de oxigenio para os tecidos . Para se obter um aumento na quantidade de oxigenio disponivel para o suprimento , o individuo deve aumentar a quantidade de oxigenio inspirado . Em primeiro lugar , o corpo aumenta a amplitude respiratoria , resultando em um aumento do volume corrente e inspiracao de mais . Segundo , a frequencia respiratoria aumente . Terceiro , o aumento do volume corrente e da frequencia respiratoria causam aumento da ventilacao alveolar .
O exercicio altera o funcionamento e resistencia do sistema musculo esqueletico . Durante os exercicios , o tono , tamanho e forca aumentam . Como resultado , o individuo e capaz de se exercitar por mais tempo e fortalecer cada um dos musculos . A mobilidade articular e mantida , uma vez que os exercicios requerem movimentos das partes do corpo . O resultado dos exercicios no funcionamento fisiologico e de aperfeicoamento .
Tolerancia as atividades
A avaliacao do profissional em relacao ao nivel de energia do paciente inclui os efeitos fisiologicos dos exercicios e a tolerancia as atividades . Tolerancias as atividades e a quantidade e tipo de exercicios ou trabalho que uma pessoa e capaz de realizar . Essa avaliacao e necessaria quando se planeja qualquer atividade fisica para pacientes com doencas agudas ou cr6onicas . As medidas de rotina de enfermagem podem fadigar muito em alguns pacientes . Inclui dados das demandas fisiologicas , emocionais e de desenvolvimento do paciente . Esta avaliacao fornece dados basicos a respeito dos padroes e tolerancia as atividades do paciente .

Fatores que influenciam a tolerancia as atividades
Fisiologico
frequencia de doenca ou cirurgia nos ultimos 12 meses
tipos de doencas ou cirurgia durante os ultimos 12 meses
condicao cardiopulmonar ( dispneia , dor no peito )
condicao musculo esqueletica ( diminuicao da massa muscular )
padroes de sono
presenca e controle da dor
sinais vitais , variacao
exercicios e padroes
anormalidades em estudos laboratoriais , tais como diminuicao da concentracao de oxigenio arterial , diminuicao de hemoglobina e anormalidade eletrolitica

Emocional
humor depressao , ansiedade
motivacao
dependencia de substancias quimicas drogas , alcool , nicotina
auto imagem

Desenvolvimento
idade
sexo
gravidez
alteracoes na massa muscular decorrente das alteracoes no desenvolvimento
alteracoes no sistema esqueletico resultantes das alteracoes no desenvolvimento



Diagnostico de enfermagem
A mobilidade e alinhamento sao interdependentes , uma pessoa com alinhamento corporal inadequado pode apresentar mobilidade reduzida . O profissional ao identificar o diagnostico de enfermagem que refletem alteracoes reais ou potenciais no alinhamento ou mobilidade do corpo do paciente , esta apto a estabelecer quais estrategias podem reduzir ou prevenir riscos resultantes dessas alteracoes .
As alteracoes no alinhamento corporal podem resultar de alteracoes no desenvolvimento , anormalidades posturais e na formacao ossea , alteracao no desenvolvimento muscular , lesao do sistema nervosos central e trauma direto causado ao sistema musculo esqueletico . A alteracao no alinhamento corporal como resultado de modificacoes de desenvolvimento e temporaria e nao resulta em prejuizo ao funcionamento fisiologico .

Planejamento
Pacientes com riscos associados ao alinhamento corporal inadequado e prejuizo da mobilidade articular requerem um plano de enfermagem direcionado as necessidades de posicionamento real ou potencial e de mobilidade articular . O plano e baseado em um ou mais dos seguintes objetivos .
1 - manutencao de um alinhamento corporal adequado
2- recuperacao de um alinhamento corporal adequado ou de um nivel otimo do alinhamento do paciente
3- reducao das lesoes causadas a pele e ao sistema musculo esqueletico , provenientes de mecanica e alinhamento corporais inapropriados


Implementacao
Alinhamento corporal
Para manutencao de um alinhamento corporal , o profissional levanta corretamente o paciente , utiliza tecnicas de posicionamento adequadas e transfere-o com seguranca da cama para a cadeira ou para a maca . Sao diversos procedimentos :
Tecnicas para levantar o paciente
O tipo mais comum de lesao no dorso e o estiramento do grupo de musculos lombares . A lesao do musculo desta area causa incapacidade de inclinacao em varias direcoes e de rotacao dos quadris e regiao lombar.
O profissional esta sujeito ao risco de lesao dos musculos lombares quando levanta , transfere ou posiciona um paciente imobilizado . Antes de comecar o profissional deve avaliar sua habilidade em levantar o paciente ou objeto , baseando-se em criterios :
1-Posicao do corpo o peso do objeto a ser levantado deve estar o mais proximo possivel daquele que vai levanta-lo . Posicionar o objeto desta forma faz com que a forca de levantamento do profissional seja utilizada , pois o objeto esta no mesmo plano .
2 Altura do objeto a melhor altura para levantar um objeto vertical e aquela um pouco acima do nivel do dedo medio de uma pessoa com o braco pendente ao lado . Este nivel esta aproximadamente a 60cm do chao proximo ao centro de gravidade da pessoa que levantara o objeto .
3 Posicao do corpo quando houver variacao da posicao daquele que fara o levantamento , em diferentes tarefas , aplica-se uma regra geral : o corpo e posicionado de tal forma que multiplos grupos musculares possam agir em conjunto e de forma sincronizada .
4- Peso maximo cada profissional deve saber qual o peso maximo que pode levantar com seguranca , tanto para ele como para o paciente . Um objeto e pesado se seu peso e 35% ou mais do peso corporeo de um individuo . Assim , a enfermeira que pesa 60 Kg nao deve levantar sozinha um paciente imobilizado que peses 45 Kg . Embora ela possa ser capaz de levantar o paciente com tranquilidade , existe o risco de deixa-lo cair ou causar a si propria um estiramento dos musculos dorsais .
Ao levantar o paciente o profissional deve seguir os seguintes procedimentos , destinados a proteger a sistema musculo esqueletico . Quadro 17.1

Levantar um objeto de uma prateleira alta aumenta o risco para quem o realiza , pois e mais dificil manter o equilibrio do corpo . Para alcancar um objeto acima da cabeca , as pessoas se apoiam , nas pontas dos pes , com seus pes juntos , o que diminui sua base de sustentacao , elevando o seu centro de gravidade e , diminuindo seu equilibrio .
O profissional que deve erguer um objeto de uma prateleira alta deve :
Usar um banquinho ou escada que sejam seguros e estaveis
Ficar o mais proximo possivel da prateleira
Transferir rapido o peso do objeto da prateleira para seus bracos e sobre a base de sustentacao .

Tecnicas de posicionamento
Pacientes que apresentam alteracoes dos sistemas nervoso , esqueletico ou muscular e maior fraqueza e fadiga necessitam da assistencia do profissional para atingir o alinhamento corporal adequado enquanto deitado ou sentado . Uma variedade de mecanismos estao disponiveis para o profissional utilizar na manutencao do bom alinhamento corporal dos pacientes , enquanto esses estao sendo posicionados .
Travesseiros sao conseguidos na maior parte dos pacientes dos hospitais ou outros servicos . Contudo quando o paciente esta em casa , ha um numero limitado deles . Antes de usa-los o profissional deve determinar o tamanho dos travesseiros . Um travesseiro grande posicionado sob a cabeca do paciente pode aumentar a flexao cervical ; por outro lado um travesseiro pequeno sob proeminencia do corpo pode ser inadequado para protecao da pele e tecidos subjacentes contra lesoes causadas pela pressao . Quando nao ha disponibilidade de travesseiros ou tamanho desejado , o profissional pode dobrar lencois , cobertores , toalhas para servirem de apoio .
Um suporte para os pes e colocado perpendicularmente ao colchao , paralelo tocando a superficie plantar plantar dos pes do paciente . Evita o pe caido , pois mantem os pes em dorsiflexao . Apos a colocacao do suporte para os pes sobre o leito , o profissional precisa determinar se o posicionamento esta correto , porque aqueles que possuem pes pequenos podem nao alcancar o suporte .
O rolo para trocanter e usado para evitar rotacao externa dos quadris , quando o paciente esta na posicao supina . Para obter esse rolo , deve-se enrolar uma manta a uma largura que se estende desde o trocanter maior do femur ate a borda inferior do espaco popliteo . Essa e colocada sob as nadegas do paciente e entao enrolada no sentido anti horario , ate que a coxa esteja em posicao neutra ou em rotacao interna . Quando se consegue o alinhamento correto dos quadris , as patelas estao voltadas para cima .
Sacos de areia sao tubos plasticos preenchidos com areia que podem se amoldar aos contornos do corpo. Esses podem substituir ou ser auxiliares aos rolos para trocanter . Imobilizam uma extremidade ou mantem o alinhamento corporal .
Os rolos para maos mantem o polegar em leve aducao e em posicao aos dedos . Mantem a mao , polegar e dedos em uma posicao funcional e podem ser feitos dobrando-se uma toalha de rosto , enrolando-a e prendendo-a com esparadrapo . O rolo e colocado na palma da mao do paciente . O profissional deve verificar a posicao do rolo na mao do paciente e certificar-se de que a mao esta em uma posicao funcional . Caso nao possa ser feito de toalhas , pode ser colocado um rolo de Kerlix na superficie palmar da mao do paciente .
As talas para maos e punhos sao moldadas a fim de que o paciente mantenha o alinhamento adequado do polegar ( ligeira aducao ) e punho ( ligeira dorsiflexao ) . Essas talas devem ser usadas apenas por aqueles para quem foram feitas .
A barra de trapezio pende de um suporte de cabeceira que esta conectado a estrutura da cama . Essa barra permite ao paciente erguer-se no leito por meio de seus membros superiores e pode ser util na transferencia do leito para a cadeira de rodas ou ainda na execucao de exercicios para fortalecimento dos antebracos .
Os contensores sao meios usados para imobilizar pacientes , individuos idosos que estao confusos ou desorientados . Um colete de contencao utilizado e o Posey . Ao vesti-lo no paciente , o profissional transpassa um lado sobre o outro . As amarras sao posicionadas sob a alca do colete e presas aos bracos da cadeira de rodas
ou a estrutura do leito . Os contensores nunca devem ser atados as grades laterais do leito , uma vez que podem machucar o paciente se uma das grades for rebaixadas .








As grades laterais sao barras localizadas lateralmente ao longo do leito , para dar seguranca ao paciente e tambem sao uteis para aumentar a mobilidade . Alem disso , permitem que um paciente debilitado vire-se de um lado para o outro ou sente-se no leito .
Os estrados sao tabuas de madeira compensada colocadas sob toda a superficie do colchao . Sao uteis para aumentar o apoio e alinhamento do dorso , caso o colchao seja macio .
Ao posicionar o paciente , o profissional deve determinar a presenca de pontos de pressao . Caso existam pontos de pressao reais ou potenciais , as intervencoes de enfermagem envolvem a remocao da pressao , mudanca na posicao do paciente ou massagem nas areas de pressao . Essas intervencoes objetivam diminuir o risco de desenvolvimento de ulceras de decubito e possivel trauma ao sistema musculo esqueletico .
Quadro 17.2


Posicao de Fowler
Nesta posicao a cabeceira do leito e elevada a um angulo de 45 a 60 e os joelhos do paciente devem estar ligeiramente elevados , sem apresentar pressao que possa limitar a circulacao das pernas . Quando o paciente esta nesta posicao , o alinhamento correto do corpo requer o uso de um apoio que o mantenha confortavel e possa reduzir o risco de lesao . O angulo de elevacao da cabeca e joelhos , assim como o tempo em que o paciente deve permanecer na posicao de Fowler , sao medidas que devem ser tomadas de acordo com o tipo de doenca e das condicoes gerais do paciente . Os apoios devem permitir a flexao dos quadris e joelhos e o apropriado alinhamento das curvaturas normais da coluna cervical , toracica e lombar . Eis algumas areas que devem ser cuidadosamente observados na posicao de Fowler :
aumento da flexao cervical porque o travesseiro sob a cabeca e muito alto e essa e estirada em direcao anterior ;
extensao dos joelhos permitindo que o paciente deslize para a parte inferior do leito ;
pressao no aspecto posterior do joelho , diminuindo a circulacao dos pes ;
rotacao externa dos quadris ;
bracos sem suporte nas laterais do paciente ;
pes sem suporte ;
pontos de pressao sem protecao no sacro e nos calcanhares .

Posicao de supinacao
Esta posicao em que o paciente deita-se sobre o dorso , tambem e denominada posicao dorsal deitada . A relacao entre as partes do corpo e a mesma que em uma correta posicao de alinhamento em pe , exceto pelo corpo estar no plano horizontal . Travesseiros , rolos para trocanter , rolos para maos e talas sao usados para aumentar o conforto do paciente e reduzir lesoes na pele ou sistema musculo esqueletico .
O colchao deve ser firma o suficiente para o suporte da coluna cervical , toracica e lombar . Os ombros sao apoiados e os cotovelos sao flexionados para controlar a rotacao do ombro . Um suporte para os pes e usado para evitar o pe caido , manter o alinhamento adequado e propiciar liberdade de movimentos para os pes .
Existem areas para a posicao de supinacao :
o travesseiro muito alto sob a cabeca aumenta a flexao cervical ;
cabeca na horizontal sobre o colchao ;
ombros sem suporte e em rotacao interna ;
cotovelos estendidos ;
o polegar nao oposto aos demais dedos ;
rotacao externa dos quadris ;
pes sem suporte ;
pontos de pressao sem protecao nas vertebras lombares , cotovelo9s e calcanhares





Posicao de pronacao
O paciente esta de brucos . O travesseiro sob a cabeca do paciente deve ter uma altura que evite a flexao ou extensao cervical e mantenha o alinhamento da coluna lombar . Colocar o travesseiro sob as partes inferiores das pernas permite a dorsiflexao dos tornozelos e a flexao dos joelhos , o que auxilia no relaxamento . Os tornozelos devem estar em dorsiflexao sobre a extremidade do colchao . O alinhamento corporal e insuficiente quando os tornozelos estao em flexao plantar e a coluna lombar permanece em hiperextensao .
Assim como em outras posicoes , o profissional deve avaliar e corrigir quaisquer desses pontos potenciais de problemas que se apresentem :
hiperextensao do pescoco ;
hiperextensao da coluna lombar ;
flexao plantar ;
pontos de pressao sem protecao no queixo , cotovelo , quadris e joelhos ;



Posicao lateral
O paciente esta deitado sobre o lado , com a maio parte do peso do corpo apoiada nos quadris e ombro . Quando o paciente esta nesta posicao , o alinhamento do tronco deve ser o mesmo como se estivesse em posicao ereta . As curvaturas estruturais da coluna devem ser mantidas , a cabeca deve ser apoiada em uma linha mediana do tronco e a rotacao da coluna deve ser evitada , para um paciente fraco .
Pontos sao comumentes observados em pacientes nesta posicao :
flexao lateral do pescoco ;
curvaturas da coluna fora do alinhamento normal ;
rotacao interna , aducao ou ausencia de apoio das articulacoes dos ombros e dos quadris ;
ausencia de suporte para os pes ;
ausencia de protecao nos pontos de pressao nas orelhas , osso iliaco , joelhos e tornozelos .



Posicao de Sims
Difere da lateral em relacao a distribuicao do peso do paciente . Nesta posicao o peso do paciente e colocado no ilio anterior , umero e clavicula .
Os pontos sao observados nos pacientes na posicao de Sims , incluem :
flexao lateral do pescoco ;
rotacao interna , aducao ou falta de apoio dos ombros e quadris ;
falta de apoio para os pes ;
falta de protecao nos pontos de pressao no ilio , umero , clavicula , joelhos e tornozelos .

Mudanca de posicao do paciente
A posicao correta do paciente e crucial para a manutencao do alinhamento corporal adequado . Qualquer paciente cuja mobilidade esteja reduzida corre o risco de desenvolvimento de contraturas , anormalidades posturais e locais de pressao .O profissional tem a responsabilidade de diminuir este risco , o que e realizado colocando o paciente em uma das posicoes aqui apresentadas , pelo menos a cada 2 horas .

Tecnicas de transferencia
Os profissionais se deparam com pacientes semi incapacitados ou imobilizados , cuja posicao deve ser mudada . Alguns devem ser movidos no leito , outros devem ser transferidos do leito para uma cadeira ou maca . O uso adequado da mecanica corporal permite ao profissional mover , elevar ou transferir os pacientes de forma segura e tambem protege-los de qualquer lesao ao seu sistema musculo esqueletico .
Os profissionais utilizam muitas tecnicas de transferencia . Esta secao detalha os procedimentos para as tecnicas comuns . O profissional , deve seguir algumas diretrizes gerais para que qualquer procedimento de transferencia :
elevar a grade lateral do lado oposto ao do profissional evita que o paciente caia do leito ;
elevar o nivel do leito para uma altura adequada ;
avaliar a mobilidade e forca do paciente para determinar quando ele pode ajudar durante a transferencia ;
explicar o procedimento e descrever o que se espera do paciente ;

Os pacientes que apresentam sinais de dor podem necessitar de analgesicos antes da movimentacao , para minimizar o desconforto e causar relaxamento . O profissional que estiver tentando usar as tecnicas de transferencia ou movimentacao , pela primeira vez , deve pedir auxilio para que haja reducao no risco de lesoes , tanto para o paciente , como para si proprio e tambem deve saber seu grau de forca fisica e limites .Movimentar um paciente imobilizado , sozinho e dificil e , em alguns casos , impossivel e perigoso .
Apos os procedimentos de movimentacao , levantamento ou transferencia o profissional deve sempre avaliar o alinhamento corporal do paciente e corrigir qualquer ponto comprometedor .


Movimentacao do paciente no leito
Os pacientes necessitam de niveis de assistencia variados para se movimentar para uma posicao lateral ou para sentar-se no leito . Para determinar o que o paciente e capaz de fazer sozinho e quantas pessoas sao necessarias para movimenta-lo , avalia-se o paciente para determinar se a enfermidade impossibilita esforco , como acontece com os portadores de doencas cardiovascular . O profissional observa se o paciente entende o que e esperado dele . Observa o nivel de comodidade do paciente . Na proxima etapa , o profissional avalia o conhecimento do procedimento . E , determina se o paciente e muito pesado ou esta incapacitado , o que impede a realizacao do procedimento sozinho .
Quadro 17.3 e 17.4


Transferencia do paciente do leito para a cadeira
Esta transferencia requer ajuda do paciente e nao deve ser tentada com aqueles que nao sao capazes de ajudar ou entender as instrucoes . Quadro 17.4
Assim como nos outros procedimentos , o profissional explica a transferencia ao paciente , antes de tentar realiza-la . O meio tambem deve ser propicio e todos os obstaculos devem ser removidos para livre transicao . A cadeira e colocada proxima ao leito , com as costas dessa proxima a cabeceira do leito . Isto permite ao profissional , virar o paciente e transferir o peso desse , para a cadeira .
Uma transferencia segura e a primeira prioridade . O profissional que tem duvida de sua forca e da habilidade do paciente em ajuda-lo , deve pedir assistencia a uma outra pessoa , antes de iniciar o procedimento . O paciente , deve ficar de pe , na lateral , por mais ou menos um minuto , para que ele possa ser rapidamente recolocado no leito caso de tontura ou desmaio .


Transferencia do paciente do leito para a maca
Um paciente imovel , que deve ser transferido do leito para a maca ou de leito para leito , requer tres pessoas para carrega-lo . Quadro 17.4
Essa tecnica de transferencia e melhor implementada quando todos os profissionais que estao levantando o paciente possuem pesos similares . Se seus centros de gravidade estiverem no mesmo plano , podem levantar o paciente como uma unidade equilibrada .
Cuidados devem ser tomados quando o paciente a ser transferido teve um trauma na coluna vertebral . Ao movimentar-se este paciente , o alinhamento da coluna deve ser mantido durante a transferencia , sendo esse trabalho realizado por tr6es pessoas . O paciente deve estar preparado para a transferencia e quando possivel deve auxiliar . O meio deve estar livre de obstaculos e qualquer equipamento desnecessario deve ser removido do leito . A maca deve ser posicionada em angulo reto com o leito , para que os levantadores possam girar em direcao a maca e transferir o paciente rapidamente .
Assim , em todos os procedimentos a seguranca e de suma importancia .

Mobilidade articular
Para assegurar uma mobilidade articular adequada , o profissional pode ensinar ao paciente exercicios sobre a amplitude de movimentacao das articulacoes . Quando o paciente nao possui controle motor voluntario , o profissional deve fazer uso de exercicios passivos . A mobilidade articular e aumentada quando o paciente deambula . O s pacientes devem recorrer ao uso de dispositivos mecanicos , tais como muletas , para aumentar a capacidade de deambular .

Exercicios sobre a amplitude de movimentacao das articulacoes
Pacientes com mobilidade limitada sao incapazes de executar alguns ou toda uma variedade de exercicios para a mobilidade articular . Esta limitacao ocorre em pacientes que possuem restricao a movimentacao ou naqueles imobilizados . Quando o profissional da assistencia a este tipo de paciente com imobilidade real ou potencial , deve estabelecer intervencoes direcionadas a manter a mobilidade articular maxima .
Para assegurar que os pacientes pratiquem uma variedade de exercicios diarios , o profissional deve estabelecer horarios , talvez a outras atividades de enfermagem como durante o banho . Este metodo permite ao profissional assessorar e melhorar a amplitude de movimentacao das articulacoes
Os exercicios podem ser ativos ( paciente capaz de mover sem auxilio todas as articulacoes em sua amplitude de movimentacao ) ou passivos ( paciente capaz de movimentar-se independentemente e a enfermeira movimenta cada articulacao atraves de sua amplitude de movimentacao ) ou , algo intermediario . O profissional , deve avaliar a habilidade do paciente em participar de uma serie de exercicios ativos e determinar a necessidade de sustentacao das articulacoes por parte do profissional .
As contraturas podem se desenvolver nas articulacoes que nao sao movimentadas periodicamente . Uma contratura e uma contracao permanente do musculo e uma atrofia associada aos ligamentos e tendoes . Se
essa ocorrer devido a articulacao estar imobilizada por um periodo prolongado o individuo sera incapaz de utilizar uma articulacao e alem disso , pode tornar-se fixa em uma so posicao .
Amenos que seja contra indicado , deve-se incluir no plano de enfermagem a movimentacao das extremidades da forma mais aproximada ao movimento articular normal . Exercicios passivos para a movimentacao articular devem ser iniciados assim que os pacientes perdem a habilidade de movimentar as extremidades ou articulacoes . Esses exercicios devem ser administrados aos poucos e sem muito esforco para que nao causem dor . Cada movimento deve ser repetido 5 vezes durante o periodo de exercitacao .
Ao executar os exercicios passivos para movimentacao articular , o profissional deve posicionar-se do lado do leito mais proximo a articulacao a ser exercitada . Se uma das extremidades deve ser levantada ou movimentada , o profissional deve colocar a mao em forma de concha sob a articulacao a fim de apoia-la , segurando as areas adjacentes proximal e distal , ou sustentar a articulacao com uma mao e suportar a porcao distal da extremidade com o outro braco .
Quadro 17.2

Pescoco
A amplitude de movimentacao da articulacao do pescoco e permitida pela flexibilidade da coluna cervical e da juncao em pivo entre a cabeca e pescoco . A menos que seja contra indicado devido a um trauma do SNC esse exercicios devem ser executados por pacientes com mobilidade limitada no pescoco . Quando a contratura de flexao do pescoco ocorre , o pescoco do paciente esta fletido , com o queixo proximo ou encostado ao torax . O alinhamento corporal total e o campo visual sao alterados e o nivel de funcionamento independente fica reduzido .


Ombros
Uma caracteristica do ombro que os destaca das outras articulacoes do corpo e que o musculo mais forte que os controla , o deltoide esta em extensao quando em posicao normal de repouso . Nenhum outro musculo exerce sua forca total se um movimento e iniciado quando em extensao completa . Exercitar os ombros aumenta a forca do deltoide e a amplitude de movimentacao articular ; para atingir este objetivo , o ombro deve estar em abducao .
O objetivo de acao para o ombro e uma amplitude de movimentacao completa . Os movimentos dos ombros incluem : flexao , extensao , hiperextensao , abducao , aducao , rotacao interna e externa e circundacao .
E importante que a amplitude de movimentacao completa dos ombros seja mantida ou recuperada a fim de evitar a dor .
O profissional deve fazer intervencoes para colocar e dar suporte ao ombro em posicao de aducao . Isto pode ser obtido com o uso de tipoias quando o paciente esta em posicao sentada ou ereta e com travesseiros , quando o paciente estiver no leito . Dar suporte e posicionar os ombros evita dor m deslocamento articular e outras alteracoes no alinhamento corporal .

Cotovelo
O cotovelo atua de modo ideal em um angulo de 90. Um cotovelo fixo em extensao completa e muito incapacitante e limita a independencia de movimentos do paciente . Se estiver em contracao em qualquer posicao , os exercicios ativos ou passivos resultam em aumento da rigidez . Os movimentos normais das articulacoes do cotovelo incluem flexao , extensao e hiperextensao . O profissional nao deve forcar a articulacao do cotovelo alem de sua capacidade . Esta propensa a causar dores por limitacao da mobilidade e ao contrario da articulacao do ombro , ao aumentar-se a amplitude de movimentacao a dor nao e atenuada .

Antebraco
Muitas funcoes das maos sao mais bem executadas com o antebraco em posicao moderada de pronacao . Quando o antebraco esta fixo em posicao de supinacao , o paciente fica bastante incapacitado . Para um funcionamento adequado a antebraco deve ser capaz de rotacionar da posicao de supinacao para a de pronacao .

Punho
A funcao principal do punho e colocar a mao em ligeira flexao dorsal , a posicao de funcionamento .A amplitude completa de movimentacao da articulacao do punho nao e tao prioritaria quanto mante-lo em sua posicao funcional . Quando o punho esta fixo em uma posicao de ligeira flexao , apreensao fica comprometida . Em um paciente imobilizado a posicao funcional do punho pode ser conseguida usando-se talas e rolos para as maos .

Dedos e polegar
A amplitude de movimentacao dos dedos e polegar permite ao paciente executar suas funcoes cotidianas assim como as atividades que requerem boa habilidade motora como servicos de carpintaria , desenho , bordados ou pintura . A posicao funcional dos dedos e polegar e uma ligeira flexao do polegar em relacao aos outros dedos . Em pacientes com mobilidade limitada, os rolos para as maos ajudarao a manter a posicao funcional .

Quadril
Uma vez que as extremidades inferiores estao relacionadas a movimentacao e ao suporte do peso , a estabilidade das articulacoes dos quadris pode ser mais importante que toda a mobilidade . Se um quadril nao possui mobilidade mas esta fixo em uma posicao neutra e extensao total , e possivel para o paciente se movimentar sem uma claudicacao importante .
As contraturas fixam o quadril em posicoes que causam deformidade . A abducao excessiva faz com que a perna afetada pareca muito longa , enquanto que a aducao excessiva faz parecer muito curta ; em qualquer um dos casos , o paciente apresenta limitacao na locomocao e claudicacao . As contraturas em flexao resultam em lordose quando a pessoa esta em pe . As contraturas em rotacoes interna e externa causam uma marcha desequilibrada e insustentavel .

Joelhos
A funcao principal e a estabilidade que e conseguida por uma combinacao de ossos , movimento articular , ligamentos e musculos . Os joelhos nao podem manter-se estaveis sob condicoes de sustentacao de peso , a menos que haja forca adequada do quadriceps , o qual mantem o joelho em extensao total . Os exercicios devem incluir a tracao na extensao completa .
Um joelho rigido pode resultar em incapacidade grave cujo grau depende da posicao em que ele se encontra mesmo . Se um joelho fica fixo em extensao total , o individuo deve sentar-se com a perna estendida para a frente . Quando o joelho fica fletido , ele claudica durante a marcha e quanto maior a flexao , maior a claudicacao . As contraturas em flexao forcam o individuo a usar andador ou muletas .
Caso seja impossivel evitar a rigidez do joelho o profissional deve tentar garantir que ele fique fixo em uma posicao de ligeira flexao , isto e de 10 a 20 , permitindo que o paciente anda sem claudicar muito ou sente sem estender a perna para a frente .

Tornozelo e pe
Ao andar o movimento das articulacoes do tornozelo e minimo ; entretanto a articulacao deve estar estabilizada e capaz de suportar peso ou o individuo caira . Se a mobilidade da articulacao for diminuida o profissional deve mante-la em uma posicao na qual se possa andar com um movimento de rotacao para a frente , do calcanhar para o dorso do pe .
Quando um individuo esta relaxado como ao se deitar ou em coma , o pe relaxa e assume a posicao da flexao plantar . Resulta do relaxamento dos musculos gastrocnemio e solear que mantem a dorsiflexao . Caso o


pe se mantenha em flexao plantar sem suporte , esses musculos contraem-se e os dorsiflexores tentam compensar por hiperextensao . O pe torna-se fixo em flexao plantar ( pe caido ) que prejudica a marcha do paciente .
A inversao e eversao tambem devem ser evitadas a fim de permitir que o pe toque o chao por completo . O pe deve estar totalmente apoiado ao chao para permitir sustentacao do peso e uma marcha adequada .


Dedos do pe
A flexao excessiva dos dedos resulta em pe em garra . Quando e uma deformidade permanente , o pe nao consegue tocar o chao em toda a sua superficie . As contraturas em flexao sao a mais comum de deformidade associadas a uma mobilidade articular reduzida . Uma amplitude adequada de movimentacao da articulacao propicia ao paciente a mobilidade necessarias para realizar as atividades cotidianas , exercitar-se , relaxar-se e deambular .


Deambulacao
Na postura normal para deambulacao a cabeca esta ereta , as coluna cervical , toracica e lombar alinhadas , quadris e joelhos em flexao adequada e bracos podem movimentar-se livremente em alternancia com as pernas . Doencas ou traumatismos podem reduzir a tolerancia as atividades , de tal forma que ha necessidade de auxilio para deambulacao . Alem disso , pacientes portadores de lesoes permanentes ou temporarias aos sistema musculo esqueletico e nervoso necessitam do uso de dispositivos mecanicos para deambular .

Auxilio na deambulacao
Assim como os outros procedimentos apresentados nesta secao , auxiliar o paciente a nadar requer preparo previo . Em primeiro lugar o profissional avalia a tolerancia a atividade , forca , presenca de dor , coordenacao e equilibrio do paciente para determinar o tipo de assistencia necessaria .
A seguir , o profissional esclarece ao paciente quanto ele deve tentar andar , quem ira ajuda-lo , quando sera e por que o caminhar e importante . O profissional e o paciente determinam o grau de independencia do paciente .O profissional deve verificar o local pata Ter certeza que nao existem obstaculos no caminho do paciente cadeiras , mesas , cadeira de rodas para que ele nao tenha que desviar dos mesmos .
Antes do paciente comecar a caminhar , pontos para descanso devem ser estabelecidos , no caso de tolerancia do paciente as atividades ser menor que aquela estimada ou do paciente sentir-se tonto .
O paciente deve ser auxiliado a sentar-se na beira da cama e deve esperar 1 ou 2 minutos antes de levantar-se . Da mesma maneira apos ficar em pe , ele deve permanecer parado por mais 1 ou 2 minutos antes de comecar a andar . E importante permitir ao paciente equilibrar-se antes de caminhar , se ele sentir tontura , a cama ainda esta proxima e o profissional pode coloca-lo de volta . Quanto maior for o periodo de imobilidade , maiores as alteracoes fisiologicas , as circulatorias ; ao erguer-se pode ocorrer queda de pressao sanguinea .
O profissional deve dar apoio na regiao da cintura para que o centro de gravidade do paciente permaneca em uma linha mediana . Isto e conseguido quando o profissional coloca suas maos na cintura do paciente ou usa um cinto para deambulacao . Este cinto e de couro e circunda o paciente na regiao da cintura e suas alcas permitem que o profissional segure o paciente enquanto esse anda . Os pacientes nao devem pender para um lado , uma vez que o seu centro de gravidade nao mais se encontra na linha mediana , prejudicando seu equilibrio , sendo maior o risco de queda .
O paciente que a qualquer momento sentir-se desequilibrado ou queixar-se de tontura , deve retornar ao leito ou cadeira , o que estiver mais proximo . Caso o paciente desmaie ou comece a fraquejar , o profissional deve adotar de base para suporte com um pe na frente do outro , e desta forma sustentar o peso do paciente . O profissional , coloca o paciente no chao , protegendo a cabeca dele . Embora essa tarefa nao seja dificil o estudante pratica essa tecnica com um colega de classe antes de tentar fazer o mesmo em uma situacao real .
Pacientes com hemiplegia ou hemiparesia precisam de ajuda para deambular . Deve-se estar sempre posicionado no lado comprometido do paciente e apoia-lo com um braco em volta de sua cintura e o outro ao redor da face interna do braco , de forma que a mao do profissional esteja sustentando a axila do paciente . Dar apoio segurando o braco do paciente e incorreto pois se ele desmaiar ou fraquejar o profissional nao conseguira suportar o peso com facilidade e coloca-lo no chao . Se o paciente cair com alguem segurando seu braco , a articulacao do ombro pode ser deslocada .
O profissional que nao estiver seguro em relacao a sua forca e sua habilidade de ajudar na deambulacao do paciente deve requer ajuda . O metodo com dois profissionais ajuda a distribuir o peso do paciente . Cada um deve ficar de um lado do paciente . O braco que estiver mais proximo ao paciente deve ser colocado ao redor da cintura dele e outro da face interna do braco de forma que as maos daqueles que dao sustentacao estejam apoiando as axilas do paciente .
Um segundo metodo seguro requer que tanto os profissionais como o paciente possuam a mesma altura . Os profissionais se posicionam de cada lado do paciente com seus bracos sob os bracos dele , em direcao ao dorso . Cada profissional deve entao segurar o braco do outro . Os bracos do paciente ficam posicionados sobre os ombros dos profissionais que seguram as maos do paciente com suas maos livres . Esta tecnica e eficaz com pacientes pesados ou incapacitados .


Aparelhos mecanicos para deambulacao
Os andadores sao aparelhos leves , moveis , da altura da cintura e feitos de tubos de metal Possuem quatro pernas inflexiveis e posicionadas . O paciente segura sobre o apoio manual das barras superiores , da um passo move o andador para a frente e da outro passo .
As bengalas sao leves , facilmente movidos , da altura da cintura e feitos de madeira ou metal . Os dois tipos mais comuns sao a bengala reta e muleta quadrangular . A primeira e mais comum e e usada para apoiar e equilibrar um paciente com diminuicao da forca da perna , e deve ser segurado do lado mais forte do corpo . Para maximo na deambulacao o paciente deve posicionar a bengala adiante em 15 a 25 cm , mantendo o peso do corpo nas pernas . Segundo a perna de menor forca e movida para a frente da bengala para que o peso do corpo seja dividido entre a bengala e a perna mais forte . Terceiro , essa perna e colocada a frente da bengala para que a perna mais fraca do peso do corpo sejam apoiados pela bengala e pela perna de menor forca . Durante a deambulacao o paciente repete essas tres etapas . Deve ser ensinado ao paciente que ha sempre dois pontos de apoio , os pes ou um pe e a bengala .
A muleta quadrangular proporciona maior apoio e e usada quando ha uma paralisia total ou parcial da perna ou algum grau de hemiplegia . As mesmas tres etapas usadas com a bengala simples reta sao ensinadas ao paciente .
As muletas sao necessarias para aumentar a mobilidade do paciente . O seu uso pode ser temporario como no caso de lesoes temporarias causadas ao joelho , porem podem ser necessarias por um paciente com paralisia nos membros inferiores . Uma muleta pode ser feita de madeira ou metal .


A muleta de antebraco possui um apoio de mao e uma cinta de metal que se acopla ao braco do paciente . Sao ajustaveis de acordo com a altura do paciente . A muleta axilar possui uma superficie curvada acolchoada ,m que possibilita o seu ajuste sob a axila . Um apoio em forma de travessao ao nivel das palmas das maos serve para sustentar o corpo . E importante que as muletas tenham comprimento adequado e que os pacientes tenham consciencia de como usa-las com seguranca , obter uma marcha estavel , subir ou descer escadas e levantar-se da posicao sentada .

Medida das muletas
A muleta axilar e a mais usada . As medidas compreendem tres areas : altura do paciente , angulo de flexao do cotovelo e distancia entre coxim da muleta e a axila . Quando sao adequadas , o seu comprimento deve estar entre 3 e 4 dedos da axila a um ponto de 15 cm lateralmente ao calcanhar do paciente .

E importante que os suportes de mao sejam posicionadas de forma que o peso do corpo do paciente nao seja totalmente sustentado pelas axilas . A pressao nessa regiao aumenta o risco de lesao dos nervos subjacentes o que poderia resultar em paralisia parcial do braco . A posicao destes suportes e determinada com o paciente na posicao ereta , com o peso apoiado neles e os cotovelos ligeiramente fletidos ( 20 a 25 )A flexao do cotovelo e verificada com um goniometro .
Quando a altura e o posicionamento dos suportes de mao forem determinados , o profissional deve verificar se a distancia entre o coxim da muleta e a axila do paciente e de 3 a 4 dedos de largura .


Seguranca das muletas
Antes de permitir que o paciente ande sozinho com as muletas , ele deve aprender as seguintes condicoes de seguranca :
aqueles que usam muletas axilares devem Ter consciencia dos perigos da [pressao sobre as axilas . Portanto nao devem usar muletas que se ajustem inadequadamente ou apoiar-se totalmente sobre suas muletas para sustentar o peso do seu corpo .
aqueles dependente de muletas devem ser ensinados a verificar os pes delas . Os pes de borracha devem estar seguramente fixos as muletas .Quando estiverem desgastados devem ser trocados . Essa protecao de borracha aumenta a superficie de atrito e evita que os pes se tornem escorregadios .
os pes das muletas devem sempre estar secos . Caso fiquem umidos , o paciente deve seca-los . Agua diminui a superficie de atrito e aumenta o risco de escorregar .
a estrutura das muletas deve ser inspecionada rotineiramente . Rachaduras na madeira reduz sua habilidade de sustentacao do peso do paciente . Envergamento nas muletas de aluminio podem alterar o alinhamento corporal do paciente , aumentando o risco de lesoes adicionais ao sistema musculo esqueletico .
aos pacientes deve ser dada uma lista dos fornecedores desses aparelhos , pois isso permite a obtencao de consertos , novos pes de borracha , suportes de mao e coxins axilares .
aqueles que sao dependentes de muletas devem sempre ter uma de reserva e pes sobressalentes .

Marcha com muletas
E o modo de andar adotado , alternando o suporte do peso em uma ou nas pernas ou nas muletas . O modo de andar escolhido pelo medico e determinado pela avaliacao das habilidades funcionais e fisicas do paciente e de acordo com a doenca ou lesao . Resume as posturas basicas para uso de muletas e os quatro padroes de marcha : marchas alternadas de quatro , tres ou dois pontos e por impulso .
A postura basica com muleta e a posicao tripode , formada quando as muletas estao colocadas a 15 cm a frente de cada pe e a 15 cm ao lado de cada pe .

Essa posicao melhora o equilibrio do paciente , dando-lhe uma base maior de sustentacao . O alinhamento corporal do paciente na posicao tripode requer cabeca , pescoco e coluna eretos , quadris e joelhos estendidos . Nenhum peso deve ser sustentado pelas axilas . A posicao tripode e usada antes de se andar com muletas .
A marcha com alternancia de quatro pontos da estabilidade ao paciente , mas requer suporte de peso nas pernas . Cada perna e movimentada alternadamente com cada uma das muletas de maneira oposta , para que os tres pontos de apoio estejam no chao ao mesmo tempo .
Figura 17.13

A marcha com alternancia de tres pontos requer do paciente a sustentacao de todo seu peso sobre um pe . O peso e sustentado sobre a perna que nao esta comprometida ( figura 17.14 A ) , entao em ambas as muletas ( figura 17.14 B ) e a sequencia e repetida . A perna comprometida nao toca o chao durante a fase inicial da marcha . O paciente vai tocando o chao e apoiando todo seu peso na perna comprometida .
A marcha alternada de dois pontos requer pelo menos o apoio parcial do peso em cada pe . ( figura 17.15) O paciente move a muleta ao mesmo tempo que a perna oposta , para que os movimentos da muleta sejam similares aos do braco , durante uma deambulacao normal .
A marcha por impulso e usada por paraplegicos que usam aparelhos de suporte para os pes . Com o peso sobre as pernas apoiadas o paciente posiciona as muletas um pouco a frente e entao impulsiona-se a enquanto elas sustentam seu peso .


Subida e descida de escadas com muletas
Ao subir escadas com muletas , o paciente deve usar uma marcha de tres pontos modificada .
O paciente posiciona-se na parte inferior da escada e transfere todo o seu peso para as muletas . A perna nao comprometida e avancada entre as muletas em direcao a escada . O paciente entao transfere seu peso das muletas para a perna nao comprometida . O paciente , alinha as duas muletas na escada . E repetida ate que o paciente alcance o topo da escada .
Para descer as escadas a sequencia de tres fases tambem e usada . O paciente transfere seu peso para a perna nao comprometida , as muletas sao posicionadas na escada e o paciente comeca a transferir seu peso para elas , movendo a perna comprometida para a frente . A perna entao nao comprometida e movida juntamente com a muleta na direcao da escada . O paciente repete a sequencia ate alcancar o pe da escada .

Devido ao fato de que a maioria dos casos o paciente deve usar muletas por um determinado tempo , devem ser ensinados corretamente a usa-las nas escadas antes de receber alta . Esta instrucao deve ser dada a todos os pacientes dependentes de muletas , nao so aqueles que tem escada em casa .


Sentar-se na cadeira com muletas
Como se usa muletas para andar e subir e descer escadas , o procedimento para sentar na cadeira envolve fases e requer do paciente a transferencia do peso . O paciente , deve posicionar-se no meio da frente da cadeira , com a parte posterior das pernas tocando a cadeira . Deve segurar ambas as muletas com a mao oposta a perna comprometida . Se ambas as pernas estao comprometidas como a de um paraplegico que usa aparelhos , as muletas devem ser seguradas com a mao do lado mais forte do paciente . Com as muletas em uma mao o paciente apoia seu peso na perna nao comprometida e nas muletas .
Enquanto estiver segurando as muletas o paciente segura o braco da cadeira com a outra mao e abaixa o corpo ate a cadeira . Para ficar em pe , o procedimento e o contrario e quando ereto , deve assumir posicao tripode antes de comecar a andar .

Avaliacao
A avaliacao da assistencia de enfermagem para pacientes com inadequacao de alinhamento corporal ou com limitacao da mobilidade articular , baseia-se em criterios objetivos estabelecidos por cada uma das metas de enfermagem .

Exemplos de criterios de avaliacao para manutencao do alinhamento corporal adequado incluem :
observar o paciente quanto a posicao corporal adequada enquanto esta deitado , sentado ou em pe
observar o paciente quando deitado , sentado ou em pe , quanto aos sinais de fadiga ou desconforto


Exemplos de criterios de avaliacao para recuperacao do alinhamento corporal incluem :
1-observar o paciente quanto a melhoria do alinhamento corporal enquanto deitado , sentado ou em pe
2-inspecionar a pele do paciente quanto a presenca de pressao na regiao articular
observar o sistema musculo esqueletico quanto a presenca de contraturas na regiao articular


Exemplos de criterios de avaliacao para recuperacao de lesoes a pele ao sistema musculo esqueletico incluem
1-inspecionar a pele quanto a presenca de pontos de pressao
2-inspecionar a pele quanto a integridade cutanea
3-inspecionar o sistema musculo esqueletico quanto a ausencia de contratura em regiao articular
4-palpar o tegumento quanto a ausencia de hipersensibilidade e inadequacao do tono muscular

Conclusao
O profissional deve ter conhecimentos da fisiologia do movimento e dos principios da mecanica corporal para transferir e posicionar os pacientes com seguranca , assim como acompanha-los no uso de andadores ou muletas . Usando os processos de enfermagem , o profissional desenvolve planos de assistencia de enfermagem para pacientes com alteracoes reais ou potenciais no alinhamento corporal ., Essas alteracoes podem ser temporarias ou permanentes .
Uma mecanica corporal correta protege o profissional de enfermagem e o paciente contra lesoes ao sistema musculo esqueletico . Aplicando os principios da mecanica corporal o profissional pode transferir o paciente do leito para a cadeira , sem machuca-lo ou a si proprio .
Os pacientes com alteracoes do alinhamento corporal possuem mobilidade limitada ou sao totalmente imoveis . A imobilizacao afeta todos os aspectos da vida do paciente .

Insira o conteúdo de apoio aqui