Make your own free website on Tripod.com

ENFERMAGEM
Ventilacao Mecanica

Home

Tratamento de Feridas
Tecnicas Basicas I
Tecnicas Basicas II
Administracao de medicamentos
Higiene e Profilaxia
Glossario
Exame Fisico
Ventilacao Mecanica
Clinica Medica
Mecanica Corporal
Nutricao
Historico de Enfermagem

Assistencia ao paciente que necessita de cuidados com as vias aereas

Objetivos


Usar adequadamente os termos-chaves relacionados.
Descrever a anatomia macroscopica e a funcao do aparelho respiratorio.
Identificar os mecanismos de ventilacao e perfusao, assim como das trocas gasosas.
Explicar de que maneira o estado de saude do paciente, sua idade, modo de vida e ambiente afetam a oxigenacao dos tecidos.
Identificar as causas e os efeitos da hiperventilacao, da hipoventilacao e da hipoxia.
Realizar o exame do aparelho respiratorio.
Fazer diagnostico de enfermagem para a alteracao de oxigenacao.
Descrever as medidas a serem adotadas pela enfermagem para manter ou melhorar a expansao pulmonar, mobilizar as secreces pulmonares, manter a permeabilidade das vias aereas, melhorar a oxigenacao e mormalizar as funces cardiopulmonares.
Estabelecer criterios para a avaliacao do plano de enfermagem no paciente que apresenta alteraces da funcao de oxigenacao.

O estado de saude do individuo, sua idade, estilo de vida e seu ambiente afetam sua capacidade para atender as necessidades de oxigenio dos seus tecidos. A sua capacidade para satisfazer suas necessidades em relacao ao oxigenio pode resultar em hiperventilacao, hipoventilacao ou hipoxemia. Atraves do processo de enfermagem, o profissional determina e diagnostica as necessidades em relacao ao oxigenio e planeja medidas de enfermagem destinadas a atender a essas necessidades do paciente.


FISIOLOGIA DA RESPIRACAO


A maioria das celulas do organismo humano recebe sua energia principalmente atraves de reaces quimicas baseadas no consumo de oxigenio e na eliminacao de dioxido de carbono.

Anatomia e Funcao

As alteraces respiratorias podem ser causadas por condices ou processos patologicos do sistema pulmonar que acarretam modificaces tanto anatomicas como funcionais. As vias aereas, a circulacao pulmonar, os pulmes e os musculos respiratorios sao indispensaveis para o aparelho respiratorio poder preencher as suas tres finalidades principais: ventilacao, perfusao e troca de gases respiratorios.

As principais funces dos pulmes sao a transferencia do oxigenio da atmosfera para os alveolos para a atmosfera.

Ventilacao
Os tres processos necessarios para a oxigenacao do sangue sao a ventilacao, a perfusao e a troca dos gases respiratorios. Entendemos por ventilacao o processo pelo qual os gases penetram e deixam os pulmes. O principal musculo da inspiracao e o diafragma; ele e inervado pelo nervo frenico. Durante a inspiracao o diafragma desce, aumentando a capacidade dos pulmes.

Trabalho Respiratorio
O trabalho respiratorio compreende todo o esforco necessario para expandir e contrair os pulmes. Este trabalho aumenta em certas condices anormais, resultado ou de doenca ou de anomalias anatomicas, congenitas ou de origem traumatica:

Diminuicao da complacencia, ou seja, da capacidade dos pulmes para se expandirem durante a inspiracao.
Aumento da resistencia oposta pelas vias aereas, ou seja, da diferenca de pressao entre os alveolos e a boca em relacao a velocidade de fluxo do ar inspirado.
Expiracao ativa, isto e, o uso ativo dos grupos musculares para contrair os pulmes; normalmente, este processo ocorre de forma passiva, exigindo pouco ou nenhum esforco muscular.
Uso dos musculos acessorios da respiracao (grupo muscular esternocleidomastoide) para aumentar o volume pulmonar durante a inspiracao.

Toda vez que um desses fatores aumentam o esforco respiratorio, o consumo de energia pelo organismo, o metabolismo e as necessidades de oxigenio aumentam tambem. Esta sequencia pode formar um circulo vicioso no paciente que apresenta problemas de ventilacao.

Volumes Pulmonares

Os volumes normais dos pulmes podem ser medidos pelas provas pulmonares funcionais. O espirometro e um aparelho que mede o volume de ar que entra ou sai dos pulmes. O volume pulmonar pode ser diminuido ou aumentado em virtude de fatores como gestacao, esforco, obesidade ou doenca pulmonar obstrutiva ou restritiva.

Presses

O deslocamento dos gases para dentro ou para fora dos pulmes depende de um processo que envolve gradientes de pressao.

Perfusao

A principal funcao da circulacao pulmonar consiste em trazer o sangue ate a barreira sanguineo-gasosa para que as trocas gasosas possam ser efetuadas. A circulacao pulmonar serve ainda como reservatorio de sangue e como filtro para trombos pequenos.

Circulacao Pulmonar

A circulacao pulmonar comeca com a arteria pulmonar, a qual recebe sangue venoso misto, proveniente do ventriculo direito. O fluxo sanguineo continua pelas arteriolas pulmonares, capilares pulmonares, venulas e veias pulmonares; o sangue oxigenado volta para o atrio esquerdo.

Distribuicao

As presses no sistema respiratorio pulmonar sao inferiores aquelas da circulacao. Por causa da pressao e resistencia mais baixas, os vasos pulmonares apresentam paredes mais finas que os vasos da grande circulacao.

Trocas de Gases Respiratorios

As trocas de gases respiratorios sao realizadas no interior dos alveolos e nos tecidos do organismo. O oxigenio e transferido dos pulmes para o sangue e deste para os tecidos do organismo. O oxigenio e transferido dos pulmes para o sangue e deste para os tecidos para o sangue e dai para os pulmes, onde e eliminado como residuo metabolico. Estas transferencias dependem do processo de difusao.

Difusao

Entendemos por difusao o deslocamento de moleculas de um local de elevada concentracao para outro de concentracao mais baixa.


Transporte de oxigenio

O sistema de transporte de oxigenio e formado pelos pulmes e pelo aparelho cardiovascular. A adequacao do fornecimento de oxigenio depende da quantidade que penetra nos pulmes (ventilacao), do fluxo sanguineo pulmonar e tecidual (perfusao), do grau de difusao e da capacidade para o transporte do oxigenio depende da quantidade de oxigenio dissolvida no plasma, da quantidade de hemoglobina e da afinidade desta ultima pelo oxigenio.

Transporte de Dioxido de Carbono

O transporte dos gases respiratorios inclui o deslocamento do dioxido de carbono. Podemos assim resumir o destino do dioxido de carbono do sangue.

1 - No plasma
a. Dissolvido
b. Formacao de compostos carbaminados com proteinas do plasma.
c. Hidratado: H+ tamponado; HCO-3 no plasma .

2 - Nos eritrocitos
a. Dissolvido
b. Formacao de compostos carbaminados.
c. Hidratado: H+ tamponado; 70% do HCO-3 difundem para o plasma.
d . Cl- penetra nas celulas, a osmolaridade celular aumenta.

O dioxido de carbono difundem-se para o interior dos eritrocitos; a anidrase carbonica se transforma rapidamente em acido carbonico, atraves do processo de hidratacao. Em seguida, o acido carbonico se dissocia em ions de hidrogenio (H+) e de bicarbonato (HCO-3). O ion de hidrogenio liga-se a hemoglobina e o HCO-3 difundem-se para o plasma (Ganong, 1983). Alem disso, parte do dioxido de carbono contido nas hemacias reage com radicais e aminoacidos, formando compostos carbaminados. Esta reacao transcorre rapidamente, dispensando a presenca de enzimas. A hemoglobina reduzida (desoxi-hemoglobina), combina-se mais facilmente com o dioxido de carbono que a oxihemoglobina; por isso, a maior parte do dioxido de carbono e transportada pelo sangue venoso.


Regulacao da Funcao Respiratoria

A regulacao respiratoria e responsavel pelo funcionamento do oxigenio em quantidade suficiente para o sangue poder atender a demanda de promover a expiracao do dioxido de carbono produzido pelo metabolismo. Os reguladores da respiracao pertencem a dois tipos: nervosos e quimicos.


Fatores que Afetam a Oxigenacao

O grau de ventilacao e perfusao, assim como o transporte de gases respiratorios, dos pulmes aos tecidos, dependem dos quatro fatores seguintes: 1 - do estado de saude do paciente, 2 - de sua idade,3 - do seu modo de vida e 4 - de fatores ambientais.

Alteraces da Funcao respiratoria

As alteraces das funces respiratorias sao causadas por doencas e condices que afetam ora a ventilacao ora o transporte de oxigenio. As principais alteraces da funcao respiratoria sao a hiperventilacao, a hipoventilacao e a hipoxia.

Hiperventilacao

O termo hiperventilacao refere-se frequentemente a hiperventilacao alveolar, ou seja, a um estado de ventilacao que ultrapassa a ventilacao necessaria para manter o dioxido de carbono dos tecidos em niveis normais (Groer e Shekleton, 1983).

A hiperventilacao pode ser induzida pela ansiedade, esforco intenso, leses ou infecces do centro respiratorio medular, febre, estimulos quimicos e tentativa do organismo de compensar a acidose metabolica.
A hiperventilacao alveolar e capaz de provocar numerosos sinais e sintomas que se revelam no exame fisico.
O tratamento da hiperventilacao tem por finalidade corrigir a causa responsavel e fazer com que o paciente seja capaz de reter maior quantidade de dioxido de carbono.

Hipoventilacao

A hipoventilacao alveolar e devida a diminuicao da frequencia respiratoria; leva a retencao de dioxido de carbono. A hipoventilacao resulta em hipercapnia, ou seja, em aumento dos niveis sanguineos de dioxido de carbono e hipoxemia. A disponibilidade de dioxido de carbono ultrapassa as necessidades do organismo; o acido carbonico aumenta e instala-se a acidose respiratoria.

A hipoventilacao e causada por um mecanismo fisio-patologico. A hipoventilacao pode ser devida a atelectasia macica, isto e, ao colapso dos alveolos impendindo as trocas respiratorias mormais de oxigenio e dioxido de carbono, ou a administracao incorreta de oxigenio a pacientes portadores de doenca pulmonar obstrutiva cronica.

O exame fisico do paciente com hipoventilacao revela numerosos sinais e sintomas. O tratamento tem por objetivo restabelecer ou manter a funcao ventilatoria adequada, melhorar a oxigenacao dos tecidos e restabelecer ou manter o equilibrio acidobasico.

Hipoxia

A hipoxia e um estado de oxigenacao inadequada das celulas que resulta de deficiencia no fornecimento ou uso de oxigenio a nivel celular.

Pode ter as seguintes causas:

diminuicao do nivel de hemoglobina e, portanto, da capacidade do sangue para transportar o oxigenio;
diminuicao da concentracao de oxigenio no ar inspirado, como acontece nas grandes alturas;
incapacidade dos tecidos para extrair o oxigenio do sangue, como, por exemplo, na intoxicacao por cianuretos;
queda da difusao de oxigenio dos alveolos para o sangue, como ocorre na pneumonia;
perfusao inadequada dos tecidos, como, por exemplo, no estado de choque.

A hipoxia provoca sinais e sintomas que se revelam no exame clinico. O paciente em hipoxia nao consegue permanecer deitado e apresenta cansaco e agitacao.

A hipoxia e uma ameaca imediata a vida. Se nao for tratada, provoca arritmia cardiaca capaz de levar ao obito. O tratamento da hipoxia consiste na administracao de oxigenio ou no tratamento da causa responsavel por ela, como o estado de choque ou a pneumonia.

MODO DE USAR O ESPIROMETRO COMO ESTIMULO

observe o estado do aparelho respiratorio do paciente: a simetria da expansao da parede toracica, a frequencia e a profundidade da respiracao, a producao de escarro e o murmurio vesicular.

Providenciar o equipamento necessario e colocar ao lado da cama do doente um expirometro com estimulo, baseado no fluxo ou no volume inspiratorio.

Explicar a finalidade do exercicio e preparar o paciente para o uso do espirometro com estimulo, ensinando-o a aplicar corretametne o bocal e a realizar uma inspiracao maxima satisfatoria; faze-lo repetir a manobra quantas vezes for necessario.

Lavar as maos,
Ensinar o paciente a se colocar em posicao de Fowler alta ou em semiposicao de Fowler.

Demonstrar ao paciente a maneira de aplicar o bocal; este precisa ser inteiramente coberto pelos labios.

Ensinar o paciente a inspirar lentamente e a manter um fluxo constante no aparelho. Ao alcancar o maximo da inspiracao, o paciente segura a respiracao durante 2 a 3 segundos, expirando depois lentamente (Blodgett, 1980)

Fazer o paciente respirar normalmente durante um breve periodo.

Faze-lo repetir a manobra ate alcancar a meta proposta.

Lavar as maos.

Reavaliar o estado do aparelho respiratorio do paciente, a fim de determinar a sua resposta a espirometria com estimulo.

Anotar no diario de enfermagem a avaliacao da funcao respiratoria do paciente, antes e apos a espirometria com estimulo, assim como o tipo de espirometro usado e os eventuais efeitos indesejaveis

Frascos para Sopro

Os frascos para sopro sao um dispositivo que o paciente usa para soprar dentro de um tubo, cuja ponta mergulha na agua. O feedback deste aparelho informa apenas sobre a expiracao. As vias aereas de pequeno calibre permanecem abertas durante a expiracao forcada. So ocorre a hiperinsulflacao pulmonar quando o paciente inspira profundamente, antes de soprar o frasco.

Respiracao com Pressao Positiva Intermitente

Os aparelhos para respiracao com pressao positiva intermitente (RPPI) favorecem a hiperinsuflacao pulmonar mediante aplicacao de pressao positiva sobre as vias aereas. A hiperinsuflacao depende da pressao aplicada e da complacencia da caixa toracica. Apos a fase inspiratoria do ciclo, o aparelho se desliga automaticamente, deixando que o ar seja expirado passivamente. O proximo ciclo inspiratorio do paciente faz com que a maquina forneca pressao predeterminada.


Drenos toracicos

O dreno toracico e um cateter que e introduzido no espaco pleural atraves da parede toracica, com a finalidade de retirar ar ou liquido, restabelecendo a pressao negativa e deste modo favorecendo a reexpansao do pulmao. O dreno e usado apos cirurgia do torax e no tratamento do pneumotorax ou hematorax.

Pneumotorax e a colecao de ar ou de outro gas no interior do espaco pleural levando ao colapso do pulmao; O pneumotorax pode ser espontaneo; pode ser provocado por um acesso violento de tosse ou ser consecutivo a uma manobra invasiva, como, por exemplo, a toracocentese. Os sintomas principais sao dor, dispneia, diminuicao do murmurio vesicular no lado afetado e assimetria da expansao respiratoria da caixa toracica.
Hemotorax e o acumulo de sangue e liquido na cavidade pleural, impedindo a expansao pulmonar normal; a etiologia e geralmente traumatica.

Mobilizacao das Secreces Pulmonares
A capacidade do paciente para mobilizar as secreces pulmonares faz, as vezes, toda a diferenca entre um periodo pos-operatorio e de recuperacao breve e normal e um periodo longo e com complicaces

Hidratacao
A hidratacao adequada do organismo e indispensavel para manter a funcao do epitelio ciliar dentro dentro dos limites normais. A hidratacao pode ser considerada adequada se as secreces pulmonares se apresentarem diluidas e aquosas, de cor esbranquicada, e se puderem ser eliminadas com um minimo de tosse.

Umidificacao
A umidificacao consiste em acrescentar agua a uma mistura gasosa. O ar ou oxigenio com elevado grau de umidade relativa mantem a umidade das mucosas das vias aereas e favorecem a mobilizacao das secreces pulmonares. A umidificacao e indispensavel para assegurar a eliminacao normal do muco peles ou cilios epitelias. Outro metodo de umidificacao e o uso da tenda umida, em bebes e criancas que apresentarem certas doencas tais como laringite ou traqueite. O profissional precisa controlar tanto a temperatura corporal da crianca como as suas funces respiratorias.

Nebulizacao
A nebulizacao consiste em acrescentar ao ar inspirado pequenas goticulas de vapor de agua ou particulas de medicamentos. Geralmente a agua ou o medicamentos sao dispersos por um gas sob pressao ou mediante vibracao de elevada frequencia.



Fisioterapia da Caixa Toracica
A fisioterapia da caixa toracica compreende tres metodos terapeuticos que sao usados em combinacao para mobilizar as secreces pulmonares. O primeiro destes metodos e a percussao do torax em rapidos golpes alternados que sao aplicados com as maos semifechadas, em concha, na regiao que se pretende drenar de modo a provocar ondas intratoracicas de amplitude e frequencia variaveis. A forca destas ondas e capaz de alterar a consistencia de escarro e de desprende-los das paredes das vias aereas. O segundo metodo, da vibracao, consiste em sacudir delicadamente a parede toracica, apenas durante a fase expiratoria (Luce, Tyler e Pierson, 1984). O terceiro metodo da drenagem postural, lanca ,mao das tecnicas de posicionamento para drenar as secreces existentes em determinados segmentos dos pulmes e da arvore bronquica para a traqueia. As secreces da traqueia sao eliminadas atraves da tosse ou da aspiracao.

Como manter a Permeabilidade das Vias Aereas
A fisioterapia toracica, a nebulizacao, a umidificacao e a hidratacao sao medidas destinadas a mobilizar e remover as secreces existentes nas vias respiratorias. As vias aereas sao permeaveis quando a traqueia, os bronquios e as principais vias aereas nao apresentam obstrucao por muco ou por objetos estranhos. Existem tres tipos de medidas para assegurar a permeabilidade das vias aereas: as tecnicas de tossir, a aspiracao e a introducao de um via respiratoria artificial.

Tecnicas de Tossir
O mecanismo da tosse compreende os seguintes eventos normais: a inspiracao profunda aumenta o volume dos pulmes e o diametro das vias aereas; o fechamento da glote e a contracao ativa dos musculos expiratorios provocam o aumento da pressao intratoracica; a seguir, a abertura da glote resulta na expulsao rapida do ar que arrasta o muco para as vias aereas superiores. Depois da tosse o muco ou e expectorado ou e deglutido(Traver, 1982). Uma segunda tecnica consiste em fazer o paciente abrir a glote durante a expiracao, pronunciada a palavra huff para estimular o reflexo natural da tosse. Em geral, esta tosse consegue apenas limpar as vias aereas contrais, mas depois de adquirir certa pratica, o paciente inspira maior volume de ar, tornando-se capaz de prosseguir para a tosse em cascata.

Segmento Pulmonar Posicao do Paciente
Adulto Decubito lateral,
Lobo superior esquerdo, levantando o lado
segmento posterior esquerdo do torax com
travesseiros

Lobo medio direito Decubito dorsal de tres
quartos,com o pulmao
pendente em posicao
de Trendelemburg

Lobo medio direito, segmento Decubito ventral, com
posterior com elevacao do abdomem e
da metade inferior do torax


Lobos inferiores, segmentos Decubito dorsal em
anteriores posicao de Trendelenburg

Lobo inferior esquerdo, Decubito lateral direito
segmento lateral em posicao de
Trendelenburg

Lobo inferior direito, segmento Decubito lateral esquerdo
em posicao de
Trendelenburg

Lobo inferior direito, segmento Decubito ventral, lado
posterior direito do torax
elevado em posicao de
Trendelenburg

Lobos inferiores, segnmentos Decubito ventral em
posteriores posicao de
Trendelenburg

Criancas
Bilateral, segmentos apicais Sentada no colo da
enfermeira e ligeiramente
inclinada para
diante, com o tronco
fletido sobre um travesseiro


Bilateral, segmentos anteriores Sentada no colo da
medios enfermeira, apoiada
contra a mesma


Lobos bilaterais, segmentos Deitada em decubito
anteriores dorsal no colo da
enfermeira, com o
dorso apoiado sobre
um travesseiro

Um terceiro metodo e usado nos pacientes que nao possuem controle sobre sua musculatura abdominal (p. ex., nos individuos com traumatismo de medula espinhal). O paciente ou profissional exercem pressao contra os musculos da parede abdominal, para dentro e para cima, em direcao ao diafragma, enquanto o paciente realiza um esforco expiatorio maximo que provoca a tosse. A eficacia de qualquer tipo de tosse e avaliada com base na eliminacao do escarro, na informacao do paciente de que deglutiu escarro ou no desaparecimento dos ruidos adventicios a ausculta pulmonar.

Tecnicas de Aspiracao

O profissional deve empregar a tecnica de aspiracao, sempre que o paciente nao conseguir eliminar as secreces das vias aereas atraves da tosse. As tres tecnicas principais sao a aspiracao orofaringea e nasofaringea, a aspiracao do tubo endotraqueal.

A frequencia de aspiracao sera determinada pela observacao constante do paciente. A aspiracao sera necessaria toda vez que a inspiracao ou a ausculta revelarem a presenca de secreces.

ASPIRACAO DE OROFARINGE E NASOFARINGE

A orofaringe se localiza atras da boca, desde o palato mole ate o nivel acima do osso hioide; compreende tambem as amigdalas. A aspiracao de orofaringe ou nasofaringe esta indicada no paciente que e capaz de tossir normalmente, mas que nao consegue eliminar as secreces mediante degluticao ou expectoracao.

ASPIRACAO OROTRAQUEAL E NASOTRAQUEAL

Este tipo de aspiracao esta indicado no paciente que apresenta secreces pulmonares, mas que nao e capaz de tossir e que se encontra entubado. A manobra toda, desde a introducao da sonda ate a retirada da mesma, nao deve ultrapassar 15 segundos, porque os pulmes nao recebe oxigenio em quantidade adequadas durante a aspiracao.

TUBO RESPIRATORIO

O tubo respiratorio forma uma via aerea artificial; pode ser oral ou traqueal. As indicaces para o tuborespiratorio sao: diminuicao do estado de consciencia, obstrucao das vias aereas, ventilacao mecanica e remocao das secreces acumuladas na traqueia.



TUBO ORAL

O tubo oral e o tipo mais simples de via aerea artificial. Ele esta indicado no paciente inconsciente para impedir que o deslocamento da lingua para a orofaringe provoque a obstrucao das vias aereas.
Em geral, este tubo e usado no pos-operatorio do paciente submetido a anestesia geral. Facilita, alem disso, a aspiracao orotraqueal do paciente inconsciente, tornando mais facil o acesso da sonda a traqueia.

TUBO TRAQUEAL

O tubo traqueal pode ser endotraqueal, nasotraqueal ou traqueal. Estes tubos permitem o acesso a traqueia do paciente para a aspiracao traqueal profunda.

Metodos para Manter e Promover a Oxigenacao dos Tecidos

Os metodos que favorecem a expansao pulmonar a mobilizacao das secreces e permeabilidade das vias aereas ajudam o paciente atender as suas necessidades em relacao a oxigenacao dos tecidos.

Oxigenoterapia

Entendemos por oxigenoterapia a administracao de oxigenio ao paciente atraves de qualquer via, com o objetivo de prevenir ou de melhorar a hipoxia.
O oxigenio precisa ser encarado como um medicamento: e caro, apresenta efeitos colaterais perigosos e exige controle permanente. O oxigenio e fornecido ao paciente seja atraves de um balao de oxigenio, seja atraves de um sistema de encanamento. Os bales de oxigenio possuem um registro que regula e controla a quantidade de oxigenio que o paciente recebe.

MEDIDAS DE SEGURANCA

O oxigenio e um gas altamente combustivel. O oxigenio altamente concentrado possui grande capacidade de combustao e de alimentar o fogo.

ASPIRACAO NASAL E OROFARINGEA

Etapas

Observar se o paciente apresenta sintomas sugestivos de secrecao as vias aereas superiores: respiracao estertorosa, agitacao, vomito na boca, salivacao.

Explicar ao paciente de que maneira a aspiracao ajudara a desobstruir suas vias aereas e aliviar em parte os seus problemas respiratorios. Explicar que e normal tossir, espirrar e sentir o reflexo do vomito durante a manobra.

Preparar o equipamento e os materiais necessarios:
a - Aspirador portatil ou de parede; tubo de conexao; se for preciso conectar em Y.
b - Sonda esteril
c - Agua destilada ou soro fisiologico, cuba esteril
d - Luvas estereis
e - Pano ou toalha
f - Sonda nasal ou oral, conforme indicacao
Colocar o paciente em posicao apropriada.
a O paciente consciente, cujo reflexo do vomito estiver funcionando, sera colocado para aspiracao oral em posicao de semi-Fowler, com a cabeca voltada para um lado. Em caso de aspiracao nasal, este paciente sera colocado em posicao de semi-Fowler com a cabeca em hiperextensao.
b O paciente inconsciente sera colocado em decubito lateral olhando para o profissional.
Colocar uma toalha sobre o travesseiro ou sob o queixo do paciente.
Escolher a pressao de aspiracao e o tipo de aspirador adequados ao caso. Para os aspiradores de parede, a pressao e de 110 a 150 mmHg no adulto, de 95 a 110 mmHg na crianca e de 50 a 95 mmHg em bebes.
Lavar as maos.
Colocar agua esteril ou soro fisiologico no recipiente esterilizado.
Calcar a sua mao dominante com luva esteril.
Usando a mao enluvada, ligar a sonda ao aspirador.
Avaliar a distancia aproximada entre o lobulo da orelha do paciente e a ponta de seu nariz, colocar o polegar e indicador da mao enluvada neste ponto.
Umedecer os 6 a 8 cm atras da ponta da sonda com solucao esteril. Ligar a aspiracao, estando a ponta da sonda dentro da solucao.
Aspiracao.
a - Para aspirar a orofaringe, introduzir a sonda delicadamente no angulo da boca e faze-la deslizar ate a oroaringe. Nao aspirar enquanto estiver introduzindo a sonda.
b - Para aspirar a nasofaringe, introduzir a sonda delicadamente em uma das narinas. Passar a sonda junto a linha mediana e proxima ao assoalho da cavidade nasal. Nao forcar a sonda. Se uma das narinas nao estiver permeavel, tente a outra. Nao aspirar durante a introducao da sonda.
Aplicar aspiracao intermitente, fechando o orificio de succao com o polegar. Girar a sonda cuidadosamente enquanto a retirar. Toda esta manobra nao deve demorar mais que 15 segundos.
Enxaguar a sonda com solucao esteril, colocando-a dentro da solucao e ligando o aspirador.
Deixar o paciente descansar uns 20 a 30 segundos antes de reintroduzir a sonda, a nao ser que ele apresente desconforto respiratorio. Recolocar a canula de oxigenio se possivel.
Se o paciente tiver condices, pedir-lhe para respirar profundamente e tossir entre as aspiraces.
Se for preciso repetir a aspiracao, repetir as etapas de 13 a 15.
Aspirar as secreces acumuladas na boca ou sob a lingua. depois de aspirar a orofaringe ou a nasofaringe.
Desprezar a sonda, enrolando-a sobre a mao calcada com luva e puxar a luva sobre a sonda.
Lavar as maos.
Preparar o equipamento para aspiracao seguinte.
Observar se o paciente esta livre das secreces das vias aereas, se esta agitado ou se aparecem secreces na boca.
Registrar quantidade, cor, cheiro e consistencia das secreces e protocolar a reacao do paciente, indicando o estado funcional do seu aparelho respiratorio, antes e apos a aspiracao.

Para maior seguranca do paciente, o profissional precisa colocar placas de Proibido Fumar e explicar que nao e permitido fumar nos ambientes em que se usa oxigenio; ele precisa verificar se todo o equipamento eletrico da sala esta funcionando perfeitamente e se o aterramento e perfeito.

METODOS DE ADMINISTRACAO DE OXIGENIO

O oxigenio pode ser administrado ao paciente de varias maneiras; mediante cateter nasal, canula nasal, mascara facial ou atraves de um ventilador mecanico.
Os cateteres nasais sao dispositivos simples e confortaveis que sao introduzidos nas narinas do paciente para o fornecimento de oxigenio, a razao de 5 a 6 litros por minuto. Fluxos maiores provocam o ressecamento da mucosa nasal, sem elevar a concentracao do oxigenio, no ar inspirado, para niveis maiores.
A canula nasal pode ser introduzida pelo nariz ate a nasofaringe, mas exige a alternancia das narinas a cada 8 horas, no minimo. Por isso, a canula nasal nem sempre e o metodo ideal, pois sua introducao pode provocar dor e desconforto.


AVALIACAO INICIAL


A avaliacao das funces respiratorias baseia-se na historia clinica, no exame fisico e na coleta dos dados de laboratorio e das amostras para exame.




Historia Clinica de Enfermagem

A historia clinica enfatiza a capacidade do paciente para atender as suas necessidades relativas a oxigenacao. A anamnese das funces respiratorias compreende os antecedentes de tosse, falta de ar, respiracao sibilante, dor fatores ambientais, frequencia dos processos infecciosos do aparelho respiratorio, fatores de risco para os pulmes e medicamentos usados pelo paciente.

Tosse

A tosse e uma expulsao brusca e audivel do ar contido nos pulmes. A tosse e um reflexo protetor, destinado a limpar a traqueia, os bronquios e os pulmes de substancias irritantes e de secreces, e impedir a aspiracao de corpos estranhos para dentro dos pulmes.
Depois de verificar que o paciente apresenta tosse, o profissional determinar se ela e produtiva ou nao, se e frequente ou rara. Tosse produtiva e a tosse acompanhada de eliminacao de escarro.
O escarro contem muco, restos celulares e bacterias; pode ainda conter pus e sangue. No caso de o paciente eliminar escarro, o profissional procurara obter informaces relativas a sua cor, consistencia e cheiro; ele precisa perguntar pela presenca de sangue.
Outra classificacao da tosse baseia-se no periodo do dia em que ela ocorre com maior frequencia.
Finalmente, cumpre indagar se o paciente ja apresentou algum episodio de hemoptise, isto e, se ja eliminou alguma vez sangue proveniente do trato respiratorio, como a tosse.

Dispneia

A dispneia, ou fala de ar, pode ser uma manifestacao subjetiva ou objetiva. A dispneia pode ser um sinal de desproporcao entre a necessidade de respirar e a capacidade do corpo para atender a essa necessidade.

Cabe a enfermagem determinar as circunstancias em que ocorre a dispneia e se o paciente tem a impressao de que ela o impede de permanecer em decubito horizontal.

A ortopneia e a situacao anormal que obriga o paciente a ficar sentado ou em pe ou a se apoiar em numerosos travesseiros para se deitar e poder respirar.

Respiracao Sibilante

Sao produzidos pela passagem de ar em alta velocidade atraves de um bronquio estreitado; pode ser devidos a asma ou a bronquite aguda. O profissional precisa perguntar ao paciente sobre os fatores desencadeantes e sobre os metodos que o paciente usa para melhorar o sintoma, inclusive os medicamentos que ele toma para este fim.


Dor

A dor que acompanha os movimentos respiratorios precisa ser avaliada em relacao a seu inicio, localizacao, duracao e irradiacao enquanto ao seu efeito sobre a respiracao. A dor pleuritica apresenta localizacao periferica, pode irradiar-se para a regiao escapular, agrava-se com a inspiracao e tem duracao entre um minuto e varias horas. A dor muscular pode ser confundida com a dor pleuritica.


Fatores Ambientais

O profissional pode investigar os eventuais fatores existentes na residencia ou local de trabalho, tais como fumo, asbesto, poeira, fibras ou gases toxicos. Em certas regies, a exposicao pode resultar na instalacao de doencas como esquistossomose, coccidioidomicose e histoplasmose.

Infecces do Aparelho Respiratorio

O profissional precisa colher informaces sobre a frequencia e duracao das infecces do aparelho respiratorio, sobre os episodios de bronquite ou pneumonia, o contagio com a tuberculose e os resultados das provas tuberculinicas.

Fatores de Risco

O profissional tem a obrigacao de investigar os eventuais fatores familiares de risco, tias como os antecedentes familiares de neoplasia malignas, de doencas pulmonares ou cardiovasculares e de doencas infecciosas, principalmente da tuberculose. No paciente fumante, convem determinar ha quanto tempo ele vem fumando e quantos cigarros ele consumia ou consome por dia.

Medicamentos

O ultimo dado da anamnese refere-se a medicamentos usados pelo paciente, quer tenham sido prescritos pelo medico ou adquiridos sem receita, quer se trate de drogas ou substancias proibidas. Estes medicamentos podem ser nocivos em si ou pela interacao com outros medicamentos. As drogas proibidas, sobretudo os entorpecentes administrados por via parenteral, sao frequentemente diluidas em talco, o que irrita os pulmes.


Exame Fisico
O exame fisico, destinado a avaliar o grau de oxigenacao dos tecidos do paciente, exige a avaliacao completa do sistema cardiopulmonar. Para tanto, o profissional aplicara os metodos de inspecao, palpacao e percussao.

Metodo de Exame Finalidade Obrigacao do Enfermeiro
PROVAS PARA VERFICACAO DA VENTILACAO E OXIGENACAO
Provas de funcao pulmonar
Espirometria para medir os diferentes
volumes pulmonares

Gasometria do sangue arterial
E realizada simultaneamente com as provas funcionais pulmonares; o sangue usado para este fim e o da arteria radial
Hemograma completo
O sangue coletado para este exame e obtido mediante puncao venos
Determina a capacidade pulmonar para realizar trocas de O2 e CO2

Destina-se a determinar a concentracao dos ions de hidrogenio, a pressao parcial de CO2 e O2, assim como a saturacao de oxi-hemoglobina
Destina-se a determinar o numero de leucocitos por mm de sangue e dosar a hemoglobina Preparar o paciente para o laboratorio de provas funcionais pulmonares, explicando-lhe o metodo e a importancia de sua colaboracao
Preparar o paciente para o desconforto que o espera com a puncao da arteria radial: quando ele proprio coleta o sangue, o profissional deve ter o cuidado de evitar a formacao de hematoma
Observar o local da puncao venosa para verificar se ocorre hematoma ou inflamacao

EXAMES PARA VISIALIZACAO DA ANATOMIA DO APARELHO RESPIRATORIO
Radiografia do torax
Consiste de radiografia do torax



Broncoscopia
Visualizacao das vias aereas mediante broncoscopio tubular de metal ou broncoscopio flexivel de fibra optica



Tomografia computadorizada do pulmao
Combina a tecnologia da radiografia com a do computador, para calcular a absorcao dos tecidos e demonstrar as variaces de densidade Revela os campos pulmonares e a eventual presenca de liquido, massas tumorais, fraturas e outros processos patologicos
Exame visual de traqueia e arvore bronquica, coleta de material de biopsia e de amostras de liquido ou de escarro, remocao de obstaculos a passagem do ar(p. ex. escarro)


Permita a identificacao de massas anormais, seu tamanho e localizacao Perguntar a paciente do sexo feminino se ela esta gravida, comunicando este fato antes de encaminha-la ao exame

Manter o paciente em jejum antes do exame; administrar antes do exame os medicamentos prescritos (geralmente um sedativo); observar eventuais problemas respiratorios apos o exame, tais como dispneia, taquipneia, hemoptise; guardar a amostra de escarro em recipiente apropriado

Explicar o procedimento ao paciente; verificar se o mesmo e alergico aos contrastes radioativos

EXAMES DESTINADOS A DESCOBRIR A PRESENCA DE CELULAS ANORMAIS OU DE PROCESSOS INFICCIOSOS DO APARELHO RESPIRATORIO
Cultura de esfregacao da faringe
Obtencao com swab para cultura
Amostra de escarro
Coleta mediante aspiracao ou pelo proprio paciente, em seguida a tosse


Taracocentese
Consiste em introduzir uma agulha, perfurando a parede toracica e o espaco pleural


Determina a presenca de microorganismos patogenicos e sua sensibilidade aos antibioticos

Identificacao de bacterias especificas e prova de sensibilidade das mesmas aos antibioticos, pesquisa de bacilos da tuberculose e celulas anormais
Aspiracao de liquidos para fins diagnosticos e terapeuticos ou para a coleta de material de biopsia Verificar se existem antecedentes de alergia aos antibioticos; evitar passar o cotonete para esfregaco em lingua ou gengivas, os quais sao ricos em bacterias
Tecnica asseptica; ensine o paciente a coletar o primeiro escarro da manha, durante tres dias consecutivos

Explicar o metodo de exame e o papel do paciente, a fim de diminuir a sua ansiedade e evitar que ele execute movimentos subitos e imprevistos durante o exame


Exames Diagnosticos
Os exames complementares sao capazes de nos informar se a ventilacao e a oxigenacao sao adequadas; possibilitam a inspecao das estruturas anatomicas do aparelho respiratorio e determinam a presenca de celulas anormais ou de infeccao nas vias aereas.

Diagnotico de enfermagem
Existem quatro diagnosticos principais que o profissional pode fazer em pacientes que apresentam alteraces da oxigenacao: 1) falta de permeabilidade das vias aereas; 2) dificuldade nas trocas gasosas; 3) ineficacia do padrao respiratorio; 4) alteraces do debito cardiaco. O conhecimento dos fatores etiologicos contribui para esclarecer se o problema apresentado pelo paciente e atual ou apenas potencial.

Planejamento
Nos pacientes com problemas respiratorios, o profissional precisa elaborar um plano de assistencia destinado a atender as necessidades atuais e potenciais do paciente no tocante a oxigenacao. Este plano deve basear-se em um ou mais dos seguintes objetivos:

1. Manter e favorecer a expansao pulmonar
2. Mobilizar as secreces do aparelho respiratorio
3. Assegurar a permeabilidade das vias aereas
4. Manter ou favorecer a oxigenacao dos tecidos
5. Restabelecer as funces cardiopulmonares
6. Melhorar a tolerancia aos esforcos

Implementacao
O plano de enfermagem destinado a promover e manter a oxigenacao adequada sera executado atraves de atos independentes do profissional, assim como mediante intervences interdependentes ou dependentes, realizadas em colaboracao com o medico.



Como Manter e Promover a Expansao Pulmonar
Incluem metodos nao-invasivos, tais como posicionamento e exercicios respiratorios, intervences realizadas com auxilio de dispositivos mecanicos e metodos invasivos como a insercao de um dreno na caixa toracica.


Posicionamento do Doente

Sempre, porem, que a mobilidade do individuo sofrer restricao imposta por uma doenca ou traumatismo, ele corre o risco de ter problemas respiratorios, principalmente de retencao de secreces pulmonares e de diminuicao da expansao da parede toracica.
A mudanca frequente de posicao do paciente parcial ou totalmente imobilizado e um metodo simples, eficaz e barato, para diminuir o perigo das complicaces pulmonares. O plano de enfermagem no pos-operatorio inclui as mudancas de posicao pelo menos a cada duas horas, assim como o aumento progressivo dos periodos que o paciente passa fora da cama, a nao ser que exista alguma contra-indicacao.

Exercicio Respiratorios
Os exercicios respiratorios baseiam-se em tres metodos destinados a melhorar a ventilacao e a oxigenacao; respiracao profunda e exercicio de tossir, respiracao de labios semifechados e respiracao diafragmatica- abdominal.

A respiracao de labios semifechados consiste em inspiracao profunda, seguida por expiracao prolongada, com o paciente mantendo seus labios semifechados. Suas principais vantagens consistem em reduzir a velocidade de ventilacao, resultando no aumento do volume de fluxos e em diminuicao do espaco respiratorio morto. A ventilacao dos alveolos permanece inalterada, mas o esforco para respirar e menor. Favorecem a oxigenacao e ventilacao adequadas em pacientes ansiosos, assim como em portadores de doenca pulmonar cronica obstrutiva.

A respiracao abdominal diafragmatica requer que o paciente relaxe os musculos intercostais e a musculatura acessoria da respiracao, inspirando profundamente e observando o abdomen se expandir a medida que seu diafragma se desloca para baixo. Durante a expiracao, o paciente contrai e lenta e vagarosamente a musculatura da parede abdominal, observando a retracao da parede do abdomen a medida que o diafragma se eleva. Inicialmente, estes exercicios serao praticados em decubito dorsal; mais tarde, podem ser realizados em posicao sentada ou de pe. Este exercicio diminui a retencao de ar nos pulmes, assim como o esforco respiratorio. Ele e indicado para os pacientes portadores de doencas pulmonares, no pos-operatorio e durante o trabalho de parto.

Espirometria com Estimulo


O espirometro com estimulo baseado no fluxo e formado por um ou varios reservatorios de materia plastica contendo bolas coloridas que se deslocam livremente. O paciente precisa inalar lenta e profundamente para levantar as bolas e mante-las flutuando pelo maior tempo possivel. A espirometria inspiratoria baseada no fluxo e um metodo barato, mas nao permite conhecer o volume inspiratorio.
O espirometro com estimulo baseado no volume inspiratorio apresenta um fole que e levado ate um volume predeterminado pela inspiracao ou entaum uma luz ou um contator que acusam o desempenho. Estes dispositivos permitem ao paciente manter um volume inspiratorio conhecido e o incentivam a respirar ate os limites de sua capacidade normal.

COLOCACAO DE CATETER NASAL

Etapas

1. Avaliar o paciente e verificar se existem sinais e sintomas sugestivos de hipoxia ou presenca de secreces nas vias aereas.

2. Reunir os materiais e equipamentos necessarios:
a) Cateter nasal
b) Tubo de oxigenio
c) Umidificador
d) Agua destilada esteril
e) Fonte de oxigenio com fluximetro
f) Placas Proibido Fumar

3. Explicar ao paciente e aos familiares em que consiste o procedimento, assim como a finalidade de oxigenoterapia.

4. Lavar as maos.

5. Conectar o cateter nasal ao tubo de oxigenio e a uma fonte de oxigenio umidificada, calibrada na taxa de fluxo desejada.

6. Introduzir as extremidades do cateter nas narinas do paciente.

7. Ajustar a fita elastica na fronte ate que o cateter esteja perfeitamente adaptado e confortavel.

8. Manter o tubo de oxigenio com folga o suficiente e prende-lo as roupas do paciente,

9. Verificar o cateter a cada 8 horas.

10. Manter o recipiente do umidificador sempre cheio.

11. A cada 6 a 8 horas, examinar as narinas do paciente, a procura de laceracao de pele.

12. Verificar a taxo do fluxo de oxigenio e as prescrices do medico, a cada 8 horas.

13. Lavar as maos

14. Inspecionar o paciente para verificar se desaparecem os sintomas associados a hipoxia.

15. Observar as narinas do paciente e a superficie superior de ambas as orelhas quanto a laceracao da pele.

16. Anotar no diario da enfermagem: o metodo de administracao de oxigenio, taxa de fluxo, permeabilidade do cateter de oxigenio, reacao do paciente e avaliacao respiratoria.

Restabelecimento das funces Cardiopulmonares
Quando prolongada e grave, a hipoxia pode levar a parada cardiaca, ou seja, a interrupcao brusca da circulacao e do debito cardiaco. Quando ocorre parada cardiaca, oxigenio nao e retido nos tecidos e o metabolismo se torna anaerobico; ocorre acidose metabolica e respiratoria. As leses dos tecidos, inclusive as leses permanentes da musculatura cardiaca e lesao cerebral, ocorrem em 5 minutos.

Reanimacao Cardiopulmonar
A parada cardiaca caracteriza-se pela ausencia de batimentos cardiacos e de movimentos respiratorios e pela dilatacao das pupilas, o que exige a aplicacao imediata das medidas de reanimacao cardiopulmonar (RCP), A RCP e uma medida basica de emergencia, destinada a salvar a vida, consistindo de aplicacao de respiracao artificial e de massagem cardiaca externa. A RCP tem tres finalidades principais que constituem o ABC da reanimacao cardiopulmonar: assegurar a entrada do ar, dar inicio a respiracao e manter a circulacao.

Avaliacao
Todas as intervences de enfermagem sao avaliadas mediante comparacao da reacao apresentada pelo paciente com as finalidades do plano de assistencia. Daremos a seguir alguns exemplos de criterios para a avaliacao dos pacientes que apresentam alteraces da oxigenacao; existem outros criterios avaliados que se baseiam nos diagnosticos especificos de enfermagem e nas metas terapeuticas.

Exemplos de criterios avaliativos quanto a manutencao e promocao da expansao pulmonar incluem:

1. Inspecao e palpacao para verificar se a expansao pulmonar e simetrica

2. Inspecao para verificar se ocorreu aumento da expansao pulmonar, conforme documentacao pela espirometria com estimulo
3. Observar se ocorreu diminuicao dos movimentos respiratorios dispneticos

4. Observar se existem ou nao movimentos anormais das paredes toracicas, tais como tiragem ou contracao dos musculos acessorios da respiracao

5. Ausculta destinada a evidenciar a presenca de murmurio vesicular em todos os campos pulmonares

Exemplos de criterios avaliativos quanto a mobilizacao das secreces broncopulmonares incluem:

1. Observar se o paciente apresenta tosse produtiva

2. Inspecionar o escarro para verificar se ele contem secreces aquosas de cor esbranquicada

3. Auscultar os pulmes a procura de ruidos adventicios

Exemplos de criterios avaliativos quanto a manter as vias aereas desobstruidas incluem:
1. Obsevar se melhorou a capacidade do paciente para apresentar tosse produtiva

2. Observar se existem ou nao movimentos anormais da parede toracica

3. Auscultar os campos pulmonares para verificar a presenca de murmurio vesicular normal

Exemplos de criterios avaliativos quanto a manutencao e/ou promocao da oxigenacao normal dos tecidos incluem:

1. Observar se o paciente apresenta ou nao sinais de hipoxia

2. Inspecionar pele e mucosas a procura de cianose

3. Examinar os sinais vitais e observar se estes retornam aos valores basicos normais

4. Verificar se o estado de consciencia voltou ao nivel normal

5. Verificar se os valores da gasometria do sangue arterial se normalizaram

Exemplos de criterios avaliativos quanto ao restabelecimento das funces cardiopulmonares incluem:

1. Observar se o pulso e a respiracao se restabeleceram, funcionando
espontaneamente

2. Observar se o paciente recuperou a consciencia

Exemplos de criterios avaliativos quanto a melhora da tolerancia aos esforcos incluem:
1. Determinar a frequencia respiratoria, durante e apos exercicios, verificando se ocorreu alteraces significativas

2. Perguntar ao paciente se ele sente dispneia ou falta de ar durante os exercicios

3. Observar a capacidade do paciente para tolerar esforcos progressivamente maiores

REANIMACAO CARDIOPULMONAR

Etapas:

UM PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM

1. Verificar se o paciente reage ou nao: se respira espontaneamente; palpar as pulsaces das carotidas; perguntar-lhe Voce esta bem?

2. Pedir ajuda: quando no hospital, dizer o codigo, na comunidade, chamar um servico de pronto-socorro.

3. Colocar a vitima em decubito horizontal sobre uma superficie dura (sobre o chao ou tabua).

4. Ajoelhar-se ao nivel dos ombros da vitima

5. Abrir as vias aereas da vitima:

a) Aplicar a manobra de inclinar a cabeca, levantar o queixo: colocar uma das maos sobre a testa da vitima e aplicar pressao firme com a palma da mao, para inclinar a cabeca para tras. Colocar os dedos da outra mao sob a porcao ossea da mandibula na regiao do queixo, trazendo o queixo para frente e provocando a oclusao quase completa dos dentes, de modo a apoiar o queixo e contribuindo para deflexao da cabeca.

b) Manobra da Esmarch: pegar os angulos da mandibula da intima e levanta-la com as duas maos, de modo a desloca-la para frente, ao mesmo tempo que inclinar a cabeca do paciente para tras.

6. Prepara o paciente para respiracao artificial:

a) Para aplicar a respiracao boca a boca no adulto, apertar o nariz da vitima e fechar a boca com a sua. Se a vitima for crianca, colocar sua boca sobre o nariz e boca do paciente.

b) Para a reanimacao com o saco de Ambu, escolher a mascara facial de tamanho apropriado e coloca-la sobre o nariz e boca da vitima.

7. Realizar a respiracao artificial

a) Na respiracao boca a boca do paciente adulto, soprar duas respiraces rapidas na boca do paciente. Convem deixar um prazo adequado entre as duas respiraces (1 a 1 e meio segundo por respiracao) para assegurar a expansao o suficiente da caixa toracica e para diminuir o perigo da distensao gastrica.

b) Reanimacao boca a boca em criancas ou bebes: fazer duas respiraces lentas, durante 1 e 1 e meio segunda cada, com um intervalo entre ambas para voce poder respirar.

c) Na respiracao artificial com saco de Ambu em pacientes adultos, o saco e inteiramente comprimido nas duas respiraces.

d) Para realizar a reanimacao com o saco de Ambu em criancas: executar duas compresses breves da bolsa.

8. Observar se a parede toracica sobe e desce com cada respiracao, Se os pulmes nao se encherem, mudar a posicao da cabeca e pescoco e verificar se existe obstrucao visivel da traqueia, como por exemplo, pelo vomito.

9. Aspirar todas as secreces existentes nas vias aereas. Na falta de aspirador, virar a cabeca da vitima para um dos lados.

10. Palpar o pulso caroida; a verificacao do pulso da carotida nao deve levar mais que 5 a 10 segundos.

a) Na crianca acima de 1 ano, a carotida e a arteria mais central acessivel a palpacao. No bebe, o pescoco e muito curto, o que dificulta a palpacao da carotida; por isso, recomenda-se neste caso a palpacao do pulso da arteria branquial.

11. Na vitima que nao apresenta pulsaces arteriais, comecar com a massagem cardiaca externa:
Adulto

a) Posicao correta das maos

(1) Com os dedos medio e indicador da mao mais proxima dos membros inferiores da vitima, localizar a extremidade inferior da caixa toracica, no lado proximo ao ressuscitador.

(2) Deslocar os dedos para cima sobre a caixa toracica, ate encontrar o ponto de fusao das costelas com o esterno. Colocar o dedo medio nesta fossa e o dedo indicador ao lado dele, sobre a extremidade inferior do esterno.

(3) Posicionar o eixo longo da extremidade ulnar da mao mais proxima a cabeca da vitima, sobre o eixo longo do esterno, junto ao indicador.

(4) Retirar a primeira mao da fossa e coloca-la sobre a mao aplicada sobre o esterno, de modo que as maos fiquem paralelas.

(5) Estender ou entrelacar os dedos mantendo-os afastados do torax

b) Fixar os cotovelos, manter os bracos estendidos e os ombros diretamente acima das maos sobre o esterno da vitima

(1) Comprimir a caixa toracica 3,8 a 5 cm.

(2) Comprimir a caixa toracica 80 a 100 vezes por minuto. Executar 15 compresses, falando um e dos e tres e...ate 15.

c) Ventilar os pulmes com duas ventilaces, como na etapa 7a.

d) Voltar a avaliar o estado da vitima, depois de quatro ciclos (15 compresses: 2 ventilaces)

Bebe de 1 a 12 meses
a) Posicao correta das maos:

(1) Tracar uma linha imaginaria sobre o esterno ligando os mamilos

(2) Colocar o indicador da mao mais distante em relacao a cabeca do bebe,
logo abaixo da linha intermediaria, no ponto em que esta cruza o esterno.

b) Com os dedos, comprimir este ponto pelo menos 100 vezes por minuto, na profundidade de 1,3 a 2,5 cm.

c) Intercalar um intervalo de 1 segundo e meio no final de cada cinco compresses.

d) Reavaliar a vitima depois de 10 ciclos (5 compresses:1 ventilacao)

Crianca de 1 a 7 anos

a) Posicao correta das maos:

(1) Localizar a extremidade inferior da caixa toraxica da vitima, no lado proximo ao ressucitador, com os dedos medio e indicador.

(2) Acompanhar a extremidade da caixa toracica com o dedo medio, ate encontrar a juncao das costelas com o esterno.

(3) Colocar o indicador ao lado do dedo medio.

(4) Colocar a regiao hipotenar da outra mao junto ao indicador, mantendo o eixo longo da regiao hipotenar paralelamente ao esterno.
b) Com uma mao, comprimir o esterno na profundidade de 2,5 a 3,8 cm, a razao de 80 a 100 vezes por minuto.

c) Intercalar uma pausa para ventilacao (1 a 1 segundo e meio) apos cada cinco compresses.

d) Reexaminar a vitima apos cada 10 ciclos (5 compresses: 1 ventilacao).

Dois profissionais de enfermagem

Uma pessoa fica do lado da vitima, executando a massagem cardiaca externa, enquanto a outra permanece junto a cabeca do paciente, assegurando a desobstrucao das vias aereas e controlando as pulsaces da carotida. As compresses serao realizadas no ritmo de 80 a 100 por minuto. A razao de compresses por ventilacao e de 5:1, com um intervalo para a ventilacao de 1 a 1 e meio segundo. As duas pessoas devem trocar de posicao, assim que aquela que efetua as compresses sentir cansada.

Resumo

Os pacientes que apresentam problemas de oxigenacao requerem tratamento bem planejado, com a finalidade de restabelecer o mais alto nivel de bem-estar. O profissional de enfermagem pode lancar mao de numerosas medidas destinadas a favorecer a expansao pulmonar, mobilizar as secreces, manter as vias aereas desobstruidas, promover a oxigenacao ou restabelecer as funces cardiopulmonares.
As intervences de enfermagem devem adaptar-se as condices individuais de saude do paciente, a sua idade e habitos de vida e as suas necessidades.

CONCEITOS PRINCIPAIS

A principal funcao do pulmao consiste em transferir o oxigenio da atmosfera para os alveolos e o dioxido de carbono para o exterior, como produto que precisa ser eliminado.

Ventilacao e o processo que consiste em proporcionar oxigenacao adequada dos alveolos ate o sangue.

A complacencia pulmonar, ou seja, a capacidade dos pulmes para expandir e contrair, depende do funcionamento normal dos sistemas musculoesqueletico e nervoso e de outros fatores fisiologicos.

Para que a oxigenacao seja adequada e preciso o sangue ser perfundido para as regies ventiladas do pulmao.

O transporte dos gases respiratorios esta a cargo principalmente da hemoglobina.
A respiracao e regulada pelo sistema nervoso central e por substancias quimicas presente no sangue.

O grau de oxigenacao dos tecidos de determinado paciente depende do seu estado de saude, sua idade, habitos de vida e seu ambiente.

A diminuicao do nivel de hemoglobina afeta a capacidade do sangue no tocante ao transporte do oxigenio.

O aumento do metabolismo aumenta as necessidades dos tecidos em relacao ao oxigenio.

O aumento do metabolismo aumenta as necessidades dos tecidos em relacao ao oxigenio.

Hiperventilacao e a frequencia respiratoria acima da frequencia necessaria para manter o dioxido de carbono em niveis normais.

A hipoventilacao provoca retencao de dioxido de carbono.

A hipoxia e causada por fornecimento de quantidade insuficiente de oxigenio aos tecidos.

A historia de enfermagem compreende as informaces relativas a presenca de tosse, dispneia, sibilos, dor, fatores de risco e emprego de medicamentos.

Para avaliar o grau de oxigenacao do paciente o profissional fara uso de todos os metodos de exame.

Pode haver necessidade de exames complementares e laboratoriais, com o objetivo de completar os dados clinicos do paciente que apresenta oxigenacao insuficiente.

O posicionamento inadequado do paciente pode levar a diminuicao de ventilacao e oxigenacao.

Os exercicios respiratorios melhoram a ventilacao e a oxigenacao.

A hidratacao e a umidificacao contribuem para a liquefacao e mobilizacao das secreces pulmonares.

A fisioterapia toracica compreende drenagem postural, percussao e vibracao, com o objetivo de mobilizar as secreces pulmonares.

As tecnicas de tossir e a aspiracao tem por finalidade assegurar a desobstrucao das vias aereas.

A oxigenoterapia pode ser administrada mediante canula nasal, cateter nasal ou mascara de oxigenio.

A parada cardiaca constitui indicacao para a reanimacao cardiopulmonar.

Insira o conte˙do de apoio aqui