Make your own free website on Tripod.com

ENFERMAGEM
Administracao de medicamentos

Home

Tratamento de Feridas
Tecnicas Basicas I
Tecnicas Basicas II
Administracao de medicamentos
Higiene e Profilaxia
Glossario
Exame Fisico
Ventilacao Mecanica
Clinica Medica
Mecanica Corporal
Nutricao
Historico de Enfermagem

Adminstracao de medicamentos parenterais

SUMARIO


Introducao

Interacao e incompatibilidade fisico-quimica medicamentosa

Cuidados basicos antes da aplicacao de injecoes

Administracao por via intradermica

Administracao por via subcutanea ou hipodermica

Cuidados na administracao de insulinas

Administracao por via intramuscular

Administracao por via intravenosa

Introducao

A administracao de medicamentos e um dos procedimentos mais cruciais para a enfermagem. Tao importante como ter conhecimento sobre os efeitos e reacoes que o medicamento pode causar, e necessario ter competencia e habilidade para administrar tais medicacoes, passando assim para o paciente confianca e seguranca, minimizando a ansiedade e aumentando assim a eficacia da medicacao.
Para que sejam evitados erros ao administra medicacoes, deve-se conferir sempre os cinco passos certos para administracao medicamentosa:
Paciente certo;
Medicacao certa;
Dosagem certa;
Via de administracao certa;
Horario certo.
Tambem e de extrema importancia observar a data de validade, ja que medicamentos vencidos podem ser nocivos e/ou nao atingirem seu real efeito.
No preparo de medicacoes parenterais e importante observar a presenca de reacoes medicamentosas e ainda observar os locais corretos e de volume suportavel.
Por ultimo, vale a pena comentar a necessidade de manter uma tecnica asseptica no preparo, levando em conta a importancia das lavagens das maos.E tambem a importancia da anotacao de enfermagem de reacoes adversas e recusa de medicacoes, alem da checagem com identificacao das medicacoes administradas.

Interacao e incompatibilidade fisico-quimica medicamentosa
As interacoes medicamentosas tem importancia consideravel, uma vez que estas exercem influencia direta sobre o efeito farmacologico desejado. Essas interacoes em uma conduta terapeutica podem ser beneficas, quando a somatoria dos efeitos favorecem a cura ou a supressao dos sintomas indesejados; ou maleficas quando a somatoria exacerba ou anula por mecanismos competitivos entre os medicamentos, causando reacoes indesejadas ou imprevistas.
Existem tres tipos de interacoes: farmaco cineticas, farmaco dinamicas e fisico quimicas.
Interacoes farmacos cineticas e quando uma substancia interfere na absorcao, distribuicao, biotransformacao ou eliminacao da outra quando administradas conjuntamente.
Interacoes farmaco dinamicas ou farmacologicas e quando a interacao esta relacionada ao mecanismo de acao dos farmacos, que podem ser aditivos ou antagonicos e interferem diretamente no efeito farmacologico desejado.
Por ultimo, interacoes fisico-quimicas e quando duas ou mais substancias reagem de forma direta, inativando-se ou formando uma substancia toxica ao organismo. comum as substancias reagirem dentro de uma seringa ou mesmo em um frasco de solucao parenteral e essas reacoes nem sempre sao visiveis.Isto pode ser chamado tambem de incompatibilidade fisico-quimica.

Cuidados basicos antes da aplicacao de injecoes

A sala para preparo de medicacoes de ser um ambiente arejado, com boa iluminacao e com tela para protecao contra insetos nas janelas. Deve conter armarios e bancadas com gavetas, pias e coletores de material perfuro cortantes. De preferencia nao utilizar pias para preparo de medicamentos para evitar respingos e contaminacao das medicacoes em preparo.
A sala e a bancada utilizadas devem ser limpas sempre que necessario e ao termino de cada plantao.
As bolas de algodao devem ser guardadas secas e o alcool em uma almotolia. Nunca manter as bolas de algodao embebidas em alcool, pois isso favorece a contaminacao. Tambem as bolas de algodao devem ser mantidas em recipiente com tampa.
Deve-se observar na prescricao medica o nome do paciente, data da prescricao, nome do medicamento, dosagem a ser administrada e horario.
Em relacao ao medicamento, observar aspecto da substancia (se nao existe alteracao de coloracao, presenca de depositos ou turvacao) e validade das drogas.
Por fim cita-se a importancia da lavagem das maos a fim de evitar infeccoes cruzadas. Lava-las sempre que for preparar medicacao apos a administracao e entre a manipulacao de pacientes.

Administracao por via intrademica
E a administracao de medicacao na derme ou corio.
Esta via e indicada para:
Reacoes de hipersensibilidade (PPD e Shick Difteria);
Avaliar sensibilidade alergica;
Autovacina;
Imunizacao BCG (Bacilo de Calmette Guerin).

O volume maximo administrado por esta via e de 1 mL., sendo caracteristicas destas solucoes serem cristalinas e isotonicas.
O principal local de aplicacao e a face inter e ventral do antibraco.


A area deve ser pobre em pelos e de pouca vascularizacao, exceto a vacina BCG que e padronizada a aplicacao na insercao inferior do deltoide direito.

Tecnica de aplicacao:

Distender a pele da regiao, utilizando os dedos polegar e indicador da mao esquerda;
Mantendo sempre o bisel voltado para cima, com um angulo de aproximadamente 10 a 15 graus, introduzir cerca de 1/3 da agulha, sendo que esta deve ficar paralela a regiao de aplicacao e, sobretudo, superficializada;
Certificar-se de que nenhum vaso foi atingido puxando o embolo;
Ao injetar a solucao observar a formacao de uma papula;
Ao retirar a agulha, nao massagear o local. Se houver sangramento comprimir suavemente com uma bola de algodao seca.
Nesta via de administracao, nao e realizada antisepsia do local escolhido, ja que esta pode causar resultados falso positivo em testes de hipersensibilidade e / ou reducao das atividades das vacinas. Utilizar apenas bola de algodao seca para maior conforto do paciente.



Administracao por via subcutanea ou hipodermica

Esta via consiste na administracao de medicamento na hipoderme, conhecido tambem como tela subcutanea.

E indicada para administracao de hormonios (insulina, adrenalina), vacinas e anticoagulantes. Isto porque e uma via onde a absorcao e lenta, continua insegura.
O volume maximo administravel e de 3 mL. Volumes maiores causam dor e irritacao local proveniente de uma dilatacao tecidual.
Os locais mais indicados para a aplicacao destas solucoes, que podem estar em veiculo aquoso ou oleoso, sao as regioes que possuem bom desenvolvimento do tecido subcutaneo. Para uma terapia e eficaz e segura, deve-se revezar o local de aplicacao e guardar distancia de 3,5 cm entre as aplicacoes.
Os locais mais indicados sao:
Parte superior externa dos bracos;
Face lateral e frontal das coxas;
Regiao glutea direita e esquerda;
Regiao supra e infra-umbilical;
Regiao intermediaria lateral das costas;
Regiao supra escapular.

Tecnica de aplicacao:
Realizar a assepsia com algodao embebido em alcool 70%;
Fazer a prega cutanea para diminuir do risco que a agulha passe o tecido subcutaneo;
Introduzir a agulha em angulo de 45 ou 90 grau, dependendo da agulha utilizada e do peso do paciente (bisel para cima se a puncao for de 45 graus);
Soltar a prega, e nao verificar retorno sanguineo no caso da insulina (nao e necessario) e heparina (causa hematoma e lesao tecidual);
Massagear delicadamente a regiao apos a retirada da agulha para que seja distribuida a medicacao e facilitar a absorcao. Nao massagear quando for insulina e heparina.

Cuidados na Administracao de Insulina

Existem varios tipos de insulina industrializadas no mercado, sendo todas elas injetaveis, pois o hormonio nao e assimilado pelos sucos digestivos. Alguns tipos:
Suinas extraida do pancreas do porco;
Lispro (Humalog) de acao ultra-rapida;
Ultra-lenta.
Existe a insulina NPH de acao lenta e a simples (regular de acao rapida mas curta).
Deve-se fazer o revezamento de locais de aplicacao da insulina conforme o citado em administracao subcutanea. Realizando o rodizio, evita-se a presenca de abscessos, lipodistrofias e o endurecimento de tecidos na area da injecao.
Abscessos normalmente sao causados por falhas na antisepsia no processo de preparo e aplicacao da insulina;
Lipodistrofias sao lesoes que formam no tecido adiposo subcutaneo. A lipoatrofia e a reducao ou desaparecimento da gordura do tecido adiposo e a lipo hipertrofia e o acumulo de gordura nas areas onde a insulina foi injetada.
Esses tipos de lesoes sao causadas por trauma mecanica (aplicacao da agulha repetidas vezes no mesmo local), excesso de alcool na assepsia local, insulina gelada ou com impurezas.
Por fim, a hipoglicemia e uma racao importante e comum em quem faz uso de isnulinoterapia. Pode levar ao coma e a morte se nao houver uma rapida intervencao. Niveis glicemicos abaixo de 30mg/dl ja levam ao coma.
Para evitar esse tipo de racao, deve-se observar alguns cuidados:
Certificar-se da dosagem e tipo da insulina a ser administrada;
Nao aplicar insulina muito antes das refeicoes;
Nao pular refeicoes e nem atrasar;
Evitar erros nas dosagens de hipoglicemiantes orais;
Observar a presenca de vomitos e diarreias.

Administracao por via intramuscular

Este tipo de administracao consiste na introducao de medicamentos e/ou drogas no interior do corpo muscular.
Esta via e utilizada para administracao de substancias irritantes, de dificil absorcao, para um maior volume de solucoes (ate 5 ml) e para administracao de drogas que precisam ser absorvidas mais rapidamente que pelas vias subcutaneas ou intradermicas.
As solucoes sao isotonicas de aspecto coloidal ou cristalino.
O volume administrado nao deve ser superior a 5 mL. Se houver necessidade de aplicar um volume maior, deve-se fracionar a injecao e realiza-las em locais diferentes.
As regioes de aplicacao sao:
Regiao dorso gluteo (musculo gluteo maximo)
Regiao ventro glutea (musculo gluteo, medio e minimo).
Regiao antero lateral da coxa (musculo vasto lateral)
Regiao deltoideana (musculo deltoide - so em ultimo caso)

Regiao dorso glutea

Identificada como regiao da nadega, e nela que se encontra o musculo gluteo maximo. Este local de aplicacao e contra indicado em:
Criancas menores que dois anos;
Criancas maiores que dois anos com reduzido desenvolvimento muscular;
Pessoas com atrofia dos musculos da regiao;
Idosos com flacidez e atrofia senil;
Pessoas com insuficiencia e complicacoes vasculares dos MMII.
Os decubitos utilizados sao aqueles que proporcionam maior conforto e seguranca.
Para administrar neste local, deve-se dividir a regiao dorso glutea em quatro quadrantes, delimitando o quadrante superior externo com um triangulo ou sub dividindo em quadrante para possibilitar um adequado distanciamento do nervo ciatico.
Fazer uma ampla antisepsia;
Com os dedos indicador e polegar da mao esquerda, esticar a pele afastando o tecido subcutaneo ou fazer uma prega mais profunda;
Introduzir toda a agulha em angulo de 90 graus de uma so vez;
Soltar o musculo e puxar o embolo;
Se houver retorno de sangue, retirar a seringa, comprimir o local e realizar nova puncao;
Apos injetar lentamente a solucao, retirar a agulha e massagear suavemente o local ou comprimir se houver sangramento.

Regiao ventro glutea ou rochstter

Tecnica muito utilizada em paises desenvolvidos, porem aqui nao e muito utilizada basicamente por receio e desconhecimento. Formada pelos musculos gluteos medio e minimo, sabe-se que o gluteo medio se origina da asa do ilio, e suas fibras se inserem no trocanter maior; o gluteo minimo origina-se do ilio e se insere a frente do gluteo medio. Ambos sao em forma de leque.
Para a grande maioria dos autores esta tecnica nao tem contra indicacoes, ja que a irrigacao e a inervacao localizam-se a uma boa profundidade e dificilmente seriam atingidos.
Os decubitos mais utilizados sao o ventral, dorsal, lateral, de pe ou sentado.
A tecnica de aplicacao consiste:
Posicionar o paciente de maneira confortavel;
Delimitar a regiao de aplicacao colocando a mao esquerda sobre o quadril direito ou esquerdo acompanhando o trocanter, localizando com o dedo indicador a espinha iliaca antero superior. Com os dedos indicador e medio formar um triangulo, definindo desta forma o local de aplicacao. Manter o dedo medio sobre a crista iliaca;
Fazer a antissepsia do local;
Delimitar novamente o local e realizar a puncao em angulo de 90 graus, posicionando a agulha ligeiramente na direcao da crista iliaca;
Puxar o embolo e se houver retorno de sangue retirar a agulha, comprimir o local e fazer nova puncao;
Injetar lentamente a medicacao, retirar a agulha no mesmo sentido de introducao e massagear suavemente o local.

Regiao antero lateral da coxa

E a administracao de medicacao no musculo vasto lateral. E um musculo desprovido de grandes vasos e por isso oferece maior seguranca que a dorso glutea e a deltoideana para a aplicacao de injecoes intramusculares.
Tem como contra indicacoes:
Pacientes com fibroses locais decorrentes de inumeras aplicacoes;
Pacientes com contratura do quadriceps femoral ( atrofias ).
O decubito utilizado pode ser o dorsal ou sentado, sendo neste ultimo que a perna do paciente deve estar fletida. Esta ultima posicao favorece a auto aplicacao quando necessaria.
A tecnica de aplicacao a ser seguida:
Posicionar o paciente no decubito recomendado;
Medir a regiao lateral da coxa em tres partes. O local utilizado e o terco medio;
Fazer a antisepsia em sentido contrario dos pelos;
Em angulo de 90 graus, aplicar a medicacao, se houver retorno de sangue, retirar a agulha, massagear o local e fazer nova puncao;
Retirar a agulha no mesmo angulo de introducao e massagear suavemente o local.

REGIAO DELTOIDEANA

Constituicao anatomica

Essa regiao e formada por um musculo muito pequeno (o deltoide)
.de espessura reduzida, tecido denso e estriado. esse musculo encontra-se separado do grande peitoral pelo sulco deltopeitoral, por onde passa a veia cefalica. em sua parte mais profunda, o deltoide atinge o terco superior do umero e articulacao escapulo-umeral. e revestido pela pele, por tecido conjuntivo subdermico e por aponeurose superficial. sua vascularizacao e feita pelas arterias principal, circunflexa posterior e umeral. A inervacao se da pelo plexo cervical e braquial, que tem como ramo importante o nervo circunflexo. Este ultimo se origina junto com o nervo radial, formando o tronco radiocircunflexo. O nervo circunflexo apresenta um trajeto horizontal, 6 cm abaixo do processo acromio-clavicular, sob a parte superior do umero.

.CONTRA-INDICACAO DO DELTOIDE

Este musculo e contra-indicado para pessoas:
Menores de 10 anos e idosas;
Com complicacoes vasculares dos membros superiores;
Acometidas por acidente vascular cerebral com parestesia ou paralisia dos bracos;
Que sofreram mastectomia e/ou esvaziamento cervical;
Caqueticas ou muito emagrecidas.

Observacao:

Ja existem paises que proibem aplicacao no musculo deltoide devido a complicacoes.
Material Necessario
Uma bandeja com:

Ampola ou frasco-ampola com medicamento;
Recipiente provido de tampa com bolas de algodao secas;
Almotolia com alcool a 70%;
Serrinha caso ampola nao seja pre-serrada;
Seringa de 3 ml, 5 ml ou 10ml;
Agulha para aspiracao de calibre 25x8, 25x9, 25x10, 30x9, 30x10, 40x12'ou 40x16;
Agulha para aplicacao com calibre 25x7, 25x8, 30x7 ou 30x8;
Cuba-rim para lixo.

Posicao do braco
O braco deve ser mantido fletido sobre a linha media do abdome

Tecnicas de aplicacao

Com o material previamente preparado, colocar a bandeja sobre a mesa de
cabeceira;
Orientar o paciente sobre o que sera feito, preparando-o psicologicamente
Colocar o braco do paciente em posicao confortavel, orientando-o, a mante-lo fletido sobre o abdome;
Fazer anti-sepsia de cima para baixo, em uma area ampla, virando a bola de algodao a cada movimento;

Segurando a bola de algodao entre os dedos da mao esquerda, retirar o protetor da agulha;
Com o polegar e o indicador da mao esquerda, esticar a pele e fixar o musculo, aprisionando a maior parte possivel do musculo a quatro dedos da articulacao escapulo-umeral ou inicio do ombro. No caso de pessoas obesas apenas esticar a pele a fim de afastar o tecido adiposo assegurando a introducao da agulha no interior do musculo;
Com um angulo de 90 graus (perpendicular ao musculo), puncionar toda a agulha na parte central do musculo;


Soltar o musculo e com a mao esquerda, segurar o corpo da seringa, puxando o embolo em seguida;
Caso haja sangue, retirar a seringa, fazer compressao no local, trocar a agulha, seringa e medicacao e puncionar o outro braco;
Caso nao haja sangue, injetar o medicamento lentamente;
Retirar a seringa, fixando a regiao com a bola de algodao;
Observar reacoes no paciente antes e depois da aplicacao;
Levar todo o material a sala de servico e desprezar agulha e seringa
sem desconcertar ou reencapar a agulha, em recipiente proprio para material perfuro cortante;
Limpar e desinfetar a bandeja, deixando, o ambiente em ordem; checar no prontuario o medicamento administrado e anotar possiveis reacoes observadas.



.COMPLICACOES DURANTE E APOS A APLICACAO

Lesao dos nervos radial, ulnar, escapular ou axilar;
Lesao tissular de ramos do feixe vasculonervoso ( arterias e veias circunflexas, ventral e dorsal...) Castellanos (1987:25) apud Horta & Teixeira;
Paralisia dos musculos do membro superior;
Lesao da arteria umeral;
Lesao do nervo circunflexo com provocacao do chamado sinal de Anger (parestesia da parte posterior do deltoide);
Atrofia do deltoide;
Abcessos;
Infecoes inespecificas;
Gangrena por lesao de vasos sanguineos;
Ulceracao ou necrose tecidual por administracao de medicamentos contra indicados para esta via;
Reacoes organicas por intolerancia a solucao injetada;
Tetano e/ou hepatite, em decorrencia da contaminacao do material durante o manuseio;
Inflamacoes provocadas por medicamentos irritantes aplicados em grande volume;
Nodulos e fibroses por aplicacoes repetidas no mesmo local.

Administracao por via intravenosa

Consiste na administracao de drogas diretamente na veia. Pode ser chamada tambem de endovenosa.
Existem veias superficiais e profundas e nesses vasos sempre o sangue sempre circula em direcao ao coracao. As veias apresentam inervacao em toda sua estrutura e internamente apresentam valvulas semi lunares que impedem o refluxo sanguineo. A seguir, as figuras mostram os acessos venosos mais utilizados.

As indicacoes para esta via de administracao sao:
Grandes volumes de medicacoes;
Substancias irritantes que poderia causar necroses por outra via;
Acao imediata da droga;
Infusao rapida de solucoes.
Nao ha limite de volume a ser administrado por esta via, exceto nos casos de patologias ou indicacao clinica.
A tecnica de aplicacao requer alguns cuidados:
Posicionar o braco do paciente sobre o suporte ou sobre a cama e escolher o melhor acesso. Comecar a puncionar sempre pela parte distal e se for manter soroterapia evitar puncoes em articulacoes;
Nunca dar tapinhas sobre as veias, isso pode causar lesoes nos vasos e se paciente tiver de ateromas aderidos na parede vascular, pode sofrer uma embolia, pois isso estimula o deslocamento de trombos;
Se o paciente tiver acesso venoso dificil, pedir para ele colocar o braco abaixo do nivel do coracao e abrir e fechar a mao em movimentos repetitivos. Isso melhora a visualizacao do acesso venoso;
Evitar puncoes nos MMII ja que o retorno venoso e mais dificil pela acao da forca da gravidade. Isso e mais complicado ainda em pacientes com insuficiencia vascular periferica;
Colocar o garrote proximo ao local de puncao para provocar a extase sanguineo;
Fazer uma anti-sepsia ampla e no sentido contrario dos pelos para uma limpeza mais eficiente;
Se for puncionar com scalp, retirar o ar do circuito. E se for instalar soroterapia, conecta-lo no equipo de soro;
Manter o bisel voltado para cima;
Distender a pele no local de puncao;
Usar angulo de aproximadamente 15 graus;
Para ver se esta corretamente na veia, verificar o retorno sanguineo;
Soltar o garote e iniciar a infusao lentamente e observar possiveis reacoes do paciente;
Se for instalar soroterapia fazer o controle do gotejamento. Isso e de extrema importancia, pois influencia na reposicao de eletrolitos que o paciente esta recebendo ou em volume minimo que o paciente talvez tenha que receber;
Ao retirar o acesso venoso, comprimir firmemente o local e pedir para o paciente nao dobrar o braco se for na articulacao, pois isso proporciona o aparecimento de hematomas;
Colocar um curativo no local da puncao.